quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

RANKING GOLEADORES PORTISTAS - Nº 227













JOAQUINZINHO - Goleador Nº 227

Concretizou 4 golos em 5 jogos oficiais, com a camisola da equipa principal do FC Porto, na sua fugaz passagem de apenas uma época (1970/71).

Joaquim José Silva Neto, nasceu no dia 23 de Maio de 1943, em Santos, no Brasil.

São escassas as informações sobre este atleta que jogava como avançado e terá começado a sua actividade de futebolista no Clube Náutico Marcílio Dias, de Itajaí, do Estado de Santa Catarina, Brasil, em 1966.

Representou ainda o Coritiba (1969) e o Palmeiras (1970), antes de chegar às Antas.

Na equipa do FC Porto, treinada então por António Teixeira, Joaquinzinho foi muito pouco utilizado, aparecendo esporadicamente nas escolhas do treinador.

























A sua estreia de Dragão ao peito aconteceu no dia 4 de Abril de 1971, no Estádio das Antas, frente ao Sporting, em jogo da 24º jornada do Campeonato nacional, com vitória portista, por 2-1 e com Joaquinzinho a abrir o activo.

Seria, de resto, o seu único golo no Campeonato, embora tenha sido titular em mais dois encontros, precisamente nas duas jornadas seguintes, frente ao Boavista e Vitória de Guimarães, para fecho da competição (vitória no Bessa por 1-0 e empate nas Antas, 0-0).

A sua participação de azul e branco vestido terminaria com dois jogos da Taça de Portugal. O primeiro, realizado no Estádio das Antas, no dia 16 de Maio de 1971, frente à Cuf, com vitória portista por 5-1, pertencendo o primeiro golo do desafio, precisamente a Joaquinzinho. Finalmente, também nas Antas, em 22 de Maio de 1971, frente ao Ferroviário de Lourenço Marques, jogo dos oitavos-de-final, com nova vitória, por 4-1. Joaquinzinho voltou a abrir o marcador e faria ainda o quarto do FC Porto.

É desse jogo a fotografia que se segue, onde apenas se encontram identificados os jogadores portistas:





















A fraca utilização levou-o a mudares de ares, passando a representar o Leixões, na temporada de 1971/72. Em Matosinhos também não foi feliz. Participou em 17 jogos mas sem conseguir marcar.

O Oliveirense foi a sua experiência seguinte. O avançado brasileiro esteve em Oliveira de Azeméis, durante 4 temporadas consecutivas (de 1972/73 a 1975/76), sem registos significativos, no fim dos quais regressou ao Brasil.

Fontes: Almanaque do FC Porto, de Rui Miguel Tovar e ZeroaZero.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário