sábado, 30 de outubro de 2010

PEDRADA NO «CHARCO»

FICHA DO JOGO
(Clicar no quadro para ampliar)


Um relvado impróprio para a prática do futebol, constituiu o principal e mais complicado adversário da equipa do FC Porto, no jogo desta noite, em Coimbra.

Um lençol de água ocupou quase todo o relvado, depois da intensa chuva que caiu durante todo o dia e persistiu durante o encontro, evidenciando a péssima drenagem de um tapete renovado na semana passada. A bola ora ganhava velocidade, ora prendia na água, percorrendo trajectórias impensáveis, dificultando ao máximo a missão dos atletas em campo.

Nestas condições, não foi possível praticar futebol de qualidade. Bola para a frente e para o ar, foram as soluções aconselháveis e seguidas por ambas as equipas, exigindo muita entrega, muita luta e muito desgaste físico. Um autentico jogo de lotaria.



O FC Porto procurou manter a bola longe da sua baliza, o que conseguiu na grande maioria do tempo jogado e apesar de tudo ainda foi a equipa que mais fez para ganhar o encontro.

Silvestre Varela decidiu o jogo ao marcar um belo golo, num remate à meia volta que traiu o guarda-redes contrário. Uma  verdadeira pedrada no charco.


Vitória trabalhosa, desgastante mas justíssima face ao volume de oportunidades criadas.

Sobre o jogo nada mais vale a pena acrescentar. Vale a pena é denunciar o péssimo trabalho da TVI, que não foi capaz de fazer uma transmissão decente, que nem as más condições climatéricas atenuam. À estupidez habitual dos comentadores de serviço juntou-se a incompetência técnica! Haja paciência!

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

MAIS ENCANTO ? SÓ COM A VITÓRIA PORTISTA!


O próximo compromisso do FC Porto será de âmbito nacional. Trata-se da deslocação a Coimbra, para defrontar a Académica local, treinada pelo nosso conhecido Jorge Costa.

Os estudantes estão a fazer um início de época muito positivo, ocupando a terceira posição, a um ponto apenas do segundo classificado.


Será mais um jogo complicado que os Dragões procurarão, com empenho, determinação e ambição, levar de vencida.

O treinador André Villas-Boas efectuou três alterações na lista dos convocados, trocando Fucile por Sapunaru e promovendo a entrada de Guarín e Emídio Rafael, em vez de James Rodríguez e Souza.

Lista dos convocados:

Guarda-redes: Helton e Beto
Defesas: Sapunaru, Rolando, Maicon, Otamendi, Álvaro Pereira e Emídio Rafael
Médios: Fernando, João Moutinho, Belluschi, Guarín e Rúben Micael
Avançados: Hulk, Falcao, Walter, Silvestre Varela e Cristian Rodríguez

EQUIPA PROVÁVEL


Competição: Liga Zon Sagres - 9ª Jornada
Palco: Estádio Finibanco Cidade de Coimbra - Coimbra
Data e hora: 30 de Outubro de 2010 às 21:15 h
Árbitro: Duarte Gomes - A.F. de Lisboa
Transmissão: TVI

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

DRAGÕES DE OURO


O F.C. Porto entregou esta quarta-feira os Dragões de Ouro. A festa da família portista reuniu mais de 400 pessoas no Casino de Espinho, tendo contado com todos os atletas, e respectiva equipa técnica, do plantel principal.


Lista completa de galardoados:


Atleta do Ano: Falcao (Futebol)
Futebolista do Ano: Hulk
Atleta de Alta Competição do Ano: Hugo Laurentino (Andebol)
Atleta Amador do Ano: Igneta Radevica (Atletismo)
Atleta Jovem do Ano: Henrique Magalhães (Hóquei em Patins)
Atleta Revelação do Ano: Marta Marinho (Natação)
Treinador do Ano: Ljubomir Obradovic (Andebol)
Seccionista do Ano: André Lopes (Hóquei em Patins)
Quadro do Ano: Nélson Puga (médico da equipa de futebol)
Funcionário do Ano: Daniela Diogo (Porto, SAD)
Sócio do Ano: Rui Moreira
Filiais e Delegações do Ano: Caso do F.C. Porto da Afurada (Nacional) e Casa do F.C. Porto de Bruxelas (Internacional)
Recordação do Ano: D. Armindo Lopes Coelho
Dedicação do Ano: Helena Bastos (Desporto Adaptado)
Dirigente do Ano: Alípio Jorge Fernandes

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

TAMBÉM TU VASQUINHO!

Apesar do jogo contra o U. Leiria ter sido quase de via única e sem grandes problemas para a arbitragem, nem por isso o artista do apito deixou de se fazer notar, pela negativa obviamente.


Para além de pequenas falhas absolutamente normais, Vasco Santos cometeu dois erros grosseiros, com prejuízo, em ambos os casos, para (quem havia de ser?) o FC Porto:

20' Sivestre Varela é derrubado na área de rigor por Bruno Miguel que com o seu braço esquerdo empurra pelas costas o avançado portista, desequilibrando-o, cometendo grande penalidade que o árbitro fingiu não ver;


73' Fernando comete falta sobre Pateiro, empurrando o seu adversário com o braço esquerdo nas suas costas, fora da área, indo o Leiriense cair dentro. Vasco Santos muito atento (??) não hesitou e mandou marcar penalty!


O mesmo tipo de infracção,  com a diferença de um ser dentro e o outro fora da área. O tratamento foi o que sabemos! Ainda dizem que as camisolas não têm influência! 

Siga a farra!

terça-feira, 26 de outubro de 2010

PORTO DEMOLIDOR, ARRASA LEIRIA


FICHA DO JOGO


(Clicar no quadro para ampliar)

Foi um Porto demolidor o que hoje pisou o relvado do Dragão.  Em noite de quase acerto geral, os Dragões entraram famintos de golos e partiram para uma exibição trituradora, eficaz e com muitos momentos de futebol do melhor quilate.


AndréVllas-Boas procedeu a apenas três alterações no xadrêz, em relação à equipa que jogou em Istambul. Fucile, em vez de Sapunaru, Rúben Micael, no lugar de Belluschi e Silvestre Varela na posição de C.Rodriguez.



Falcão deu o mote, fazendo estremecer a trave, num forte e colocado remate, que merecia melhor sorte, estavam decorridos 8' de jogo. O que se seguiu foi uma «cavalgada» em direcção da baliza leiriense. Varela teve o golo à mercê mas também não foi feliz.

Até que, entrou em cena, o verdadeiro artista, o incrível Hulk, pois então. O brasileiro decidiu abrir o livro, marcando um golo soberbo. Rúben Micael, lançou-lhe a bola para o espaço vazio, Hulk meteu a rapidíssima e à saída do guarda-redes leiriense aplicou-lhe uma chapelada.

O segundo golo não tardaria. Cinco minutos após, João Moutinho recuperou uma bola, ainda próximo da sua área, serviu Hulk, no meio campo, este lançou Falcao em corrida. O colombiano foi progredindo no terreno em direcção à área, foi contemporizando e quando pressentiu o brasileiro à sua ilharga, serviu-o magistralmente. Hulk que vinha embalado, tocou a bola por debaixo do corpo do guardião que saíra ao seu encontro. Segunda obra de arte, colectiva.

Pouco depois da meia hora, apareceria o terceiro golo da noite. A raça e a inteligência de João Moutinho estiveram na génese. Primeiro ao não dar por perdido um lance que viria a ganhar sob a linha de cabeceira, perto da bandeirola de canto, obrigando o seu opositor a cometer falta, depois, ao marcar de imediato a respectiva falta, permitindo a Silvestre Varela receber a bola nas melhores condições, aproveitando para serpentear na área e atirar a contar, em mais um belo golo.

Uma primeira parte onde a máquina se apresentou bastante afinada.

No segundo tempo, o FC Porto pode abrandar o ritmo, mas continuou insaciável. Faltava ainda qualquer coisa. Falcao já se vê!

O Colombiano, que dera o lamiré no início da partida, teve então os seus momentos de glória. No primeiro acorrendo de cabeça a um cruzamento tele-guiado de Álvaro Pereira, sobre a esquerda e mais tarde, numa jogada de entendimento com Hulk, Falcao, à entrada da área, não perdoou.

Entre os golos de Falcão, o U. Leiria aproveitaria uma «oferta» do árbitro Vasco Santos, para reduzir, ao concretizar uma grande penalidade falsa com Judas, pois a falta de Fernando sobre Pateiro foi cometida fora da área. O árbitro portuense já estivera mal, quando na primeira parte, perdoou, esse sim, um penalty real, cometido sobre Varela, bem dentro da área.

Vitória volumosa, mas ainda assim lisonjeira para o adversário, face ao volume de oportunidades criadas.

Quase todos estiveram em bom plano, mas para mim Hulk, que foi justamente distinguido como o melhor jogador do mês, pela Liga, voltou a ser o melhor jogador em campo. É o melhor marcador do campeonato, com oito golos.

domingo, 24 de outubro de 2010

SEGUIR EM FRENTE, COM DETERMINAÇÃO


No regresso ao campeonato nacional, o FC Porto vai receber, amanhã, no seu estádio, a equipa do União de Leiria, que ocupava, no final da jornada anterior, a 5ª posição a um ponto dos três segundos classificados.


Os leirienses, sem serem uma equipa fácil, apenas conseguiram um empate na época 2004/2005 (1-1), costumam bater-se bem e criar algumas dificuldades, apesar de alguns resultados desnivelados.

Os últimos três confrontos no Dragão reverteram em tantas outras vitórias para as cores azul e branca.


Será portanto um jogo em que apenas um resultado se espera. A vitória, naturalmente.

André Villas-Boas operou algumas mexidas na lista dos convocados. Em relação às escolhas para a deslocação a Istambul, o técnico prescindiu de Sapunaru, Guarín e Ukra, chamando desta vez Souza e James Rodríguez.

Lista dos convocados:

Guarda-redes: Helton e Beto;
Defesas: Fucile, Rolando, Maicon, Otamendi e Álvaro Pereira;
Médios: Fernando, João Moutinho, Belluschi, Souza e Rúben Micael;
Avançados: Hulk, Falcao, Walter, Cristian Rodríguez, James Rodríguez e Silvestre Varela.

EQUIPA PROVÁVEL


Competição: LIga Zon/Sagres - 8ª Jornada
Palco: Estádio do Dragão - Porto
Data e hora: 25 de Outubro de 2010 às 20:15 h
Árbitro: Vasco Santos - A.F. do Porto
Transmissão: SportTv 1

sábado, 23 de outubro de 2010

MELHORES MARCADORES PORTISTAS NAS PROVAS DA UEFA



Istambul foi a cidade que recebeu o 300º jogo oficial, do FC Porto, nas provas sob a égide da UEFA, constituindo um marco na já longa caminhada de futebol de alta competição, começada na época de 1956/1957.

As vitórias são o objectivo principal e os golos a sua essência. Foram muitos os atletas portistas que, ao longo dos tempos, ousaram violar as balizas contrárias, contribuindo em alguns casos para concretizar vitórias inolvidáveis.

O nosso bi-bota de ouro Fernando Gomes, um dos mais talentosos goleadores mundiais, defeniu o golo como sendo o «orgasmo do futebol».

José Maria foi o pioneiro, ao marcar o golo portista, no jogo de estreia, em 20.09.1956, frente ao Atlético de Bilbau, em jogo a contar para a Taça dos Campeões Europeus. Depois dele, mais 112 companheiros, até agora,  viveram esse privilégio, inscrevendo o seu nome numa longa lista:


(quadro corrigido)  

9 golos - Custódio Pinto e Lucho Gonzalez;

8 golos - Zahovic, Hélder Postiga, Benny MacCarthy, Falcao e Hulk ;

7 golos - Zé Carlos, Teófilo Cubillas e Abel;

6 golos - Oliveira, Alenitchev, Clayton e Jaime Magalhães;

5 golos - Walsh, Séninho, Rui Barros, Rui Águas, Maniche, Juary, Duda, Quaresma e Celso;

4 golos - Timofte, Semedo, Paille, Jankauskas, Jorge Costa, Capucho, Artur e André;

3 golos -Toni, Secretário, Rolando, Júlio, Jorge Couto, Jacques, Futre, Flávio, Costinha e Costa;

2 golos - Vital, Vermelhinho, Valdir, Teixeira, Ricardo Costa, Pepe, Pavão, Octávio, Manuel António, Hélder Ernesto, Fernando Couto, Esquerdinha, Emerson, Edmilson, Djalma, Diego, Carlos Batista, Bruno Alves,  e Branco;

1 golo -  Yuran, Varela, Teixeira, Tarik, Souza, Serafim, Salim, Rui Jorge, Rui Filipe, Rúben Micael, Romeu, Romeu (cenoura), Rolando, Rodolfo, Ricardo Carvalho, Raúl Meireles, Rafael, Paredes, Nascimento, Murça, Mitharsky, Mário Silva, Mariano Gonzalez, Lino, Laureta, José Maria, Jaime Pacheco, Jaburu, Hugo Almeida, Hernâni, Geraldão, Gabriel, Fredrick S., Frasco, Fernando, Eloy, Doriva, C. Rodríguez, Carlos Alberto, Bruno Moraes, Belluschi e Aloísio.

A negrito os jogadores do plantel actual.


Os meus agradecimentos ao amigo Costa do blog FC Porto na Europa, pela contribuição no apuramento de algumas divergências.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

COM DEZ E COM NOVE, CONTRA 14, A VITÓRIA NÃO FUGIU!


FICHA DO JOGO


(Clicar no quadro para ampliar)

Só uma equipa com o carácter, a força, a ambição e a classe do FC Porto poderia passar incólume ao inferno de Istambul, agravado por uma equipa de arbitragem zarolha que invalidou um golo limpo e sonegou um penalty claro, ambos os lances com Falcao como protagonista.

Se houve equipa altamente influenciada pelo ambiente, essa foi mesmo a da arbitragem, que «borrada» de medo, se fartou de acumular erros grosseiros, sempre contra os Dragões.

Tal não foi suficiente para derrotar a equipa azul e branca. O FC Porto colocou em campo os seus habituais argumentos e encarou o jogo com coragem e inteligência. Superou as dificuldades impostas por um adversário aguerrido e excessivamente agressivo, teve de lutar contra a dualidade de critérios e cegueira do juiz da partida e ainda foi capaz de marcar dois golos, em inferioridade numérica. É obra!

Hulk foi mais uma vez o elemento fundamental, a seta virada à baliza contrária, espalhando o perfume do seu futebol e a sua veia goleadora. Desbaratou a defesa turca e contribuiu de forma categórica para mais um triunfo.


Helton também esteve muito bem, apesar de uma ou duas falhas nas saídas a cruzamentos. 

Incompreensível foi a atitude de Fernando, que depois de amarelado teve a ligeireza de agarrar a bola, forçando uma expulsão escusada.

O FC Porto subiu ao primeiro lugar do grupo, contando por vitórias os três jogos realizados.



quarta-feira, 20 de outubro de 2010

O 300º JOGO NA UEFA

 
O percurso europeu do FC Porto vai prosseguir, amanhã, em Istambul, no que será o seu 300º encontro oficial, atestado magnífico só ao alcance dos gigantes europeus e consolidado pela conta-corrente que certifica a fama e solidez deste bicampeão da Champions, vencedor ainda de uma Taça Uefa e de uma Supertaça europeia.

Os Dragões, carimbaram, esta temporada, a 53ª presença nas provas organizadas sob a égide da UEFA.


 A caminhada luminosa começou timidamente em 1956/57, até ganhar a maior intensidade das últimas décadas, anos de afirmação que elevaram o FC Porto à condição superior de adversário temível, hoje reconhecidamente um clube com rótulo Champions.

Nas últimas 19 épocas, esta é a terceira vez que o FC Porto, não se encontra na prova rainha.

É, a par de Real Madrid e Barcelona, o segundo clube europeu com mais participações no modelo da Liga dos Campeões (15), logo atrás do Manchester United (16), caindo, circunstancialmente, para a segunda competição da UEFA, como acontece este ano, depois de mais quatro participações consecutivas na solenidade das estrelas.

Istambul, constituirá assim, mais um marco que se espera vitorioso.

 
Quarto classificado na última edição da Liga turca, o Besiktas está a ser, como se previa, o adversário mais exigente do F.C. Porto nesta fase de grupos da Liga Europa.

Treinado pelo alemão Bernd Schuster e contando nas suas fileiras com o nosso conhecido Ricardo Quaresma, Gutí e o alemão Hilbert (ex-Estugarda), estes turcos prometem não ser pêra doce, partilhando neste momento a liderança do grupo com o FC Porto. 

 
Uma vitória portista, em campo alheio, seria ouro sobre azul.

André Villas-Boas, após o jogo da Taça, onde pode gerir o plantel a seu belo prazer, voltou ao esquema habitual. Seis jogadores saíram, sete entraram na convocatória para este jogo com o Besiktas. No total, o técnico convocou 19 jogadores,fazendo regressar aqueles que têm formado o onze base da equipa.

Lista de convocados:
Guarda-redes: Helton e Beto;
Defesas: Fucile, Sapunaru, Rolando, Maicon, Otamendi e Álvaro Pereira;
Médios: Fernando, Guarín, João Moutinho, Belluschi e Rúben Micael ;
Avançados: Hulk, Ukra, Falcao, Walter, Silvestre Varela e Cristian Rodríguez.

EQUIPA PROVÁVEL


Competição: Liga Europa - 3ª Jornada - Grupo L
Palco: Inonu Stadium -Istambul (Turquia) 

Data e hora: 21 de Outubro de 2010 às 18:00 h
Árbitro: Carlos Clos Gómez - Espanha
Transmissão: SportTv 1

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

SIGA A SINFONIA DESAFINADA

A qualidade da arbitragem em Portugal é o que sabemos, fraca, incompetente e por vezes «habilidosa», contando-se pelos dedos de uma mão, durante uma época, as exibições sem mácula dos artistas do apito. 


Face a algumas manobras propagandistas de «jornaleiros» bafientos, de «paineleiros» amestrados e seus quejandos, entregues à superior campanha de intoxicação da opinião pública, no sentido de «emporcalhar» as vitórias do FC Porto, decidi, esta época, analisar jogo a jogo (Xistralhadas do Xistrema, Impunidade à violência continua, A influência dos apitadores, A máfia do apito e A brutalidade lampiónica versus condescendência),  a pouca vergonha que tem sido a actuação dessa cambada de apitadores sintonizados com os interesses do clube mafioso do regime.

Nem o jogo da Taça de Portugal, frente a uma equipa modesta, escapou ao desacerto habitual:

70' Hulk recebe uma bola cruzada, junto da linha lateral, sob a esquerda, tendo o lance sido cortado por posição ilegal. A imagem demonstra a falsidade de tal irregularidade;


75' Golo mal anulado a James Rodriguez que aparece pleno de oportunidade a cabecear para as redes, correspondendo com um perfeito gesto técnico a um cruzamento de Hulk.



video

Já sei, os intoxicadores lembrarão que estes lances são muito complicados de assinalar correctamente! Claro, desde que sejam contra o FC Porto ou a favor do clubezeco deles.

Eu por mim, continuarei atento.

domingo, 17 de outubro de 2010

GOLEADA MOLDADA NA «BIGORNA»


 FICHA DO JOGO


 (Clicar no quadro para ampliar)

O jogo da Taça de Portugal, contra um adversário da 3ª Divisão do futebol nacional, possibilitou como se esperava, a entrada em cena dos actores secundários, aqueles que muito trabalham todas as semanas à espera de uma oportunidade de aparecerem nas luzes da ribalta.

Este cenário, não é original e tem sido encarado com toda a naturalidade quer pela plateia quer mesmo pelos próprios protagonistas, no decorrer de cada época.

André Villas-Boas, o argumentista desta trama, fez alinhar neste encontro apenas dois dos habituais titulares (Hulk e Silvestre Varela), construindo uma equipa à base das segundas escolhas.
Falar do jogo é falar em domínio absoluto da equipa portista, que entrou lento mas a marcar cedo, por Walter, aos 9', provocando um jogo pouco interessante, evidenciando algumas actuações portistas menos coloridas (Rúben Micael e Silvestre Varela) e outras esforçadas (Sereno, Emídio Rafael e Guarín).


Os amadores do Limianos encheram-se de brios, trocaram bem a bola e taparam os caminhos da sua baliza, procurando impedir a degola dos inocentes. Foi já em cima do intervalo que Varela, numa belíssima rotação, dentro da área, beneficiando da passividade da defesa contrária, apontou o segundo da noite.

A segunda parte colocou mais em evidência as fragilidades da equipa do quarto escalão. O Porto voltou a dominar, agora com mais tenacidade e as oportunidades flagrantes bem como os golos foram o corolário natural. Walter evidenciou-se pelo hat-trick conseguido, mostrando-se um avançado lento mas oportunista.

Castro, Ukra e James Rodríguez também tiveram os seus momentos e todos eles poderiam ter marcado. Aliás, o colombiano marcou mesmo mas viu o seu golo ser mal invalidado por pretenso fora de jogo.

Deste lote de jogadores, esperava mais de Otamendi, de Rúben e de Varela. Dos outros gostei especialmente de alguns apontamentos de James Rodríguez, da voluntariedade de Castro e do oportunismo de Walter.

Uma palavra final de simpatia para a postura digna do Limianos, para o seu golo de honra e para a mancha amarela e simpática de apaniguados minhotos.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

EM BUSCA DO TRI QUE AINDA FALTA, NESTA TAÇA

 O FC Porto arranca, amanhã, para mais uma tentativa de chegar ao primeiro Tri da história do clube na Taça de Portugal, que a acontecer, se traduziria na inédita quarta presença portista consecutiva, na final da prova. 

Os azuis e brancos conseguiram apenas dois bis, em 1999/2000 - 2000/2001 e 2008/2009 - 2009/2010 e  a possibilidade mais próxima de jogarem para o tri aconteceu precisamente nas três últimas edições, com o FC Porto a desperdiçar essa oportunidade, logo na primeira das três presenças, ao perder a final para o Sporting.

O FC Porto soma apenas 15 vitórias neste Troféu.


As grandes surpresas também acontecem neste tipo de provas a eliminar. Equipas que superam a diferença de escalão, de estatuto e de orçamento para bater o pé a equipas teoricamente mais fortes. São os chamados «tomba gigantes».

Os melhores Clubes do mundo, todos eles, viveram já essa dolorosa experiência. O F.C. Porto não fugiu à regra. Por seis vezes, metade das quais na década de 40. Em 1942/43 o emblema azul e branco foi afastado nas meias-finais pelo V. Setúbal, então no segundo escalão. E logo com uma goleada: 7-0! Na época seguinte voltou a tombar, desta feita diante do Estoril (2ª Divisão), nos quartos-de-final (3-2 e 2-1). Em 1947/48 o F.C. Porto foi surpreendido pela terceira vez, na visita ao Barreirense (1-0), em jogos dos oitavos-de-final. Em 1969/70, foi eliminado pelo Tirsense(2ª Divisão), na quinta eliminatória (2-2 e 1-0). As outras eliminações são mais recentes. Em 1998/99 o Torreense (2ª Divisão B), conseguiu uma surpreendente vitória nas Antas (0-1), na 5ª eliminatória. A última surpresa aconteceu em 2006/2007.  Os Dragões foram eliminados na quarta eliminatória pelo Atlético (0-1). 

As primeiras eliminatórias envolvem quase sempre confrontos desequilibrados. Esta época, a terceira eliminatória já conta com a presença das 16 equipas do principal escalão do futebol nacional. O adversário do FC Porto, ditado pelo sorteio, chama-se Limianos, a militar na 3ª Divisão - Série A.

Face à previsível menor exigência do jogo,  o treinador do FC Porto, André Villas-Boas, promoveu sete alterações,  em relação à anterior convocatória. Além da estreia de Kieszek, destaque para as presenças de Sereno, Emídio Rafael e James Rodriguez, jogadores que esperam ainda a sua oportunidade para se mostrarem.

Lista dos convocados 

Guarda-redes: Beto e Kieszek.

Defesas: Sapunaru, Maicon, Sereno, Otamendi e Emídio Rafael .

Médios: Souza, Castro,  Guarín, Belluschi e Rúben Micael.

Avançados: Ukra, Hulk, James Rodríguez, Falcao, Walter e Silvestre Varela. 
 
EQUIPA PROVÁVEL



Competição: Taça de Portugal - 3ª Eliminatória
Palco:
Estádio do Dragão - Porto
Data e hora:
16 de Outubro de 2010 às 19:00 h
Árbitro:
Cosme Machado - A.F. Braga
Transmissão: SportTv1

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

OBJECTIVO CUMPRIDO, RENOVA AMBIÇÃO

 

FICHA DO JOGO

 
 (Clicar no quadro para ampliar)

Portugal voltou a dar uma imagem positiva do seu futebol, nesta sua deslocação à Islândia. O jogo não podia ter começado melhor, com a obtenção do golo de abertura logo aos 4', num livre directo de Cristiano Ronaldo, a 30 metros da baliza.

A Selecção nacional entrou confiante nas suas capacidades e o golo cedo parecia indicar um jogo fácil, porém o futebol assente quase exclusivamente no poderio físico dos islandeses, acabou por causar mais problemas  que os esperados, agravados por mais uma intervenção infeliz de Eduardo ao consentir o golo do empate, na sequência de um canto. O guarda-redes português fez-se mal ao lance deixando que a bola lhe fugisse para trás, com Pepe a não chegar a tempo de impedir a igualdade.

A equipa das quinas passou por momentos de alguma insegurança, especialmente nas bolas paradas, face à maior compleição atlética dos islandeses, mas acabou por acalmar por via de um novo balázio, a 30 metros da baliza, num remate portentoso de Raul Meireles, que deixou Gunnleifsson estupefacto. 

De novo em vantagem, Portugal serenou  e voltou a criar perigo num novo tiraço de Ronaldo, à entrada da área, que Gunnleifsson defendeu com alguma dificuldade. 

Até ao intervalo, a equipa das quinas, corrigiu no acerto defensivo anulando com eficácia o jogo aéreo islandês, que não voltaria a perturbar Eduardo.

No segundo tempo o futebol praticado decresceu de qualidade mas com Portugal a dar sempre a nota mais perigosa e a deixar evidente que o resultado podia ser dilatado a qualquer momento. Raul Meireles voltou a ensaiar a meia distância, num remate de rara visão e classe que levou a bola a beijar o ferro, perante o desespero do guardião islandês que se encontrava algo adiantado.

Paulo Bento decidiu trocar Hugo Almeida por Postiga, aos 65', e a ligação entre os três avançados melhorou.  Postiga falhou um golo certo, logo na primeira intervenção e logo a seguir marcou mesmo, beneficiando de uma oferta de Gunnleifsson, que largou para a frente um cruzamento de Cristiano Ronaldo, aparentemente inofensivo. Estava feito o 1-3.

Com uma vantagem mais confortável, a Selecção pôs então em campo os seus melhores recortes técnicos, criando e desperdiçando algumas boas oportunidades para chegar à goleada.

A equipa cumpriu, patenteou um futebol agradável e marcou mais três golos. Destaques para Raul Meireles e Cristiano Ronaldo. João Moutinho, o único portista deste jogo (Beto e Varela estiveram no banco), sem ser tão brilhante como no jogo frente à Dinamarca esteve em muito bom plano.


 Portugal só volta a jogar a 4 de Junho do próximo ano, para receber a Noruega.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

CONTINUAR A ACREDITAR

Agora, que todos os jogos são para ganhar, se pretendemos alimentar o sonho da qualificação para a fase final, a deslocação à Islândia deve ser encarada com a responsabilidade e ambição de verdadeiros campeões.

A tarefa é tanto mais difícil quanto a margem nula de erro, pelo que não existem outros parâmetros.

Impõe-se por isso o traje de trabalho, mangas arregaçadas e toda a determinação para derretermos o gelo islandês.



Com este espírito Portugal contornará mais esta dificuldade.

Como em equipa que vence não se deve mexer e porque não há lesionados:


EQUIPA PROVÁVEL


Competição: Euro/2012 - Fase de qualificação - 4ª Jornada Grupo H
Palco:
Estádio Laugardalvollur - Reykjavík - Islândia
Data e hora:
12 de Outubro de 2010 às 20:45 h
Árbitro:
Thomas Einwaller  - Áustria
Transmissão: RTP 1

domingo, 10 de outubro de 2010

VAI COMEÇAR O TERCEIRO CICLO

A recepção ao Limianos,  jogo a contar para a Taça de Portugal, agendada para o próximo dia  17 de Outubro, será o primeiro dos sete jogos de um terceiro ciclo de compromissos do FC Porto nesta temporada.

No primeiro, os Dragões cumpriram com distinção os objectivos propostos por André Villas-Boas, iniciando a marcha imaculada, em 7 de Agosto, com a conquista da Supertaça Cândido de Oliveira, frente a um grupozeco de sarrafeiros, garantindo ainda a presença na fase de grupos da Liga Europa, encerrando o ciclo a 29 de Agosto, frente ao Rio Ave, no comando isolado da classificação, contando todos os jogos disputados por vitórias (ver artigo sobre essa análise). 

No segundo, os azuis e brancos quase repetiam a dose, cedendo apenas um empate, exactamente no jogo de encerramento do período, em Guimarães, num conjunto de seis jogos, dos quais dois para a Liga Europa, garantindo assim uma vantagem de sete pontos para os segundos classificados da Liga Zon Sagres.
 
(Clicar no quadro para ampliar)
 
A invencibilidade portista tem sido assente na sua solidez defensiva (três golos sofridos neste período e zero no anterior, nos 12 jogos efectuados); na boa produção de jogo do seu meio-campo, capaz de recuperar, de criar e de obter um índice importante de posse de bola, e finalmente, na capacidade realizadora do seu ataque, onde a menor produção de Falcao tem sido colmatada com a influência decisiva do incrível Hulk, que é por agora o melhor marcador do campeonato, com seis golos apontados.
 
 GOLOS MARCADOS NOS DOIS CICLOS


No total de golos marcados deve ser adicionado o auto-golo de João Aurélio do Nacional.

O ciclo que se avizinha, vai colocar os azuis e brancos, de novo frente-a-frente com o campeão dos túneis, na 10.ª jornada da Liga, isto claro está se as papoilas saltitantes não levarem por diante a covardia anunciada, de não se apresentarem no Dragão.

Uma sequência que para o conjunto de Villas-Boas começa e termina em casa, com o Estádio do Dragão a receber cinco dos sete desafios mais imediatos na agenda azul e branca. Um fartote!