quarta-feira, 15 de agosto de 2018

RANKING GOLEADORES PORTISTAS - Nº 248













OCTAVIANO - Goleador Nº 248

Concretizou 3 golos com a camisola da equipa principal do FC Porto, em 26 jogos oficiais, ao longo de 3 temporadas ao seu serviço (1944/45 a 1946/47).

Octaviano Leal de Oliveira, nasceu no dia 17 de Outubro de 1914, na freguesia de Carvalhal Benfeito, do concelho das Caldas da Rainha.

Terá sido no clube da sua terra natal, o Sp. das Caldas, que terá começado a sua carreira de futebolista, tendo passado pela Académica de Coimbra, clube onde jogou durante 9 temporadas consecutivas, até se transferir para o FC Porto.

























A sua estreia oficial de azul e branco vestido, em provas de âmbito nacional, já que as provas regionais não contam para este efeito, aconteceu no dia 26 de Novembro de 1944, no Campo das Salésias, em Lisboa, frente ao Belenenses, em jogo da 1ª jornada do Campeonato Nacional, com derrota portista, por 3-2.

Médio de formação, Octaviano fez as duas primeiras épocas com alguma regularidade, participando em grande parte dos jogos do FC Porto.

Em baixo a imagem da equipa principal, colhida num dos jogos da temporada de 1944/45:


























Dos três golos que apontou, com a camisola do FC Porto, o primeiro foi alcançado no dia 11 de Fevereiro de 1945, no estádio do Lima, no Porto, frente ao Salgueiros, em jogo da 12ª jornada do Campeonato nacional, com goleada portista, por 9-0. Octaviano apontou o oitavo golo desse jogo.

O segundo da sua lavra só aconteceria no início da temporada seguinte (1945/46). Foi no dia 25 de Dezembro de 1945, também no estádio do Lima (casa emprestada ao FC Porto), frente ao Atlético, em jogo da 3ª jornada do Campeonato nacional, com gorda vitória, por 11-0, sendo que Octaviano foi o autor do 5º golo.

O seu último golo, com o emblema do FC Porto ao peito, foi obtido no único jogo em que alinhou na temporada de 1946/47. Precisamente no dia 24 de Novembro de 1946, mais uma vez no estádio do Lima, desta vez frente ao Benfica, em jogo da 1ª jornada do Campeonato nacional. O FC Porto venceu por 3-2 e Octaviano repôs a igualdade (1-1), aos 34 minutos, depois dos lisboetas terem inaugurado o marcados, aos 15 minutos.

Participou também em 20 jogos do Campeonato regional em que apontou 2 golos, ao longo das três temporadas, com a conquista de três títulos regionais.

Fontes: Almanaque do FC Porto, de Rui Miguel Tovar e Zeroazero.pt


sábado, 11 de agosto de 2018

GOLEADA EM EXIBIÇÃO DE LUXO
















FICHA DO JOGO




























EQUIPA TITULAR




























Foi com uma goleada e uma exibição de luxo que a equipa do FC Porto iniciou a defesa do título nacional, conquistado a temporada passada.

Beleza, velocidade, intensidade, inspiração, critério e criatividade, foram os condimentos utilizados pelos campeões nacionais que só não foram perfeitos porque desperdiçaram uma mão cheia de flagrantes oportunidades de golos.

Foi uma entrada no Campeonato muito promissora, frente a um adversário completamente subjugado e atarantado, face à competência patenteada por todos os jogadores portistas, sem excepção, que hoje deram um recital de bom futebol, onde a qualidade do passe, a combinação, a desmarcação, a rápida reacção à perda de bola, a  exploração do espaço entre linhas e a técnica individual foram, as notas dominantes. Pena foi a precipitação no remate, tal não fosse, estaríamos agora a falar de um resultado histórico.

Mesmo assim foram marcados 5 golos, para todos os gostos, qual deles o mais bonito, da autoria de Aboubakar, os dois primeiros, Brahimi, Jesús Corona e até do jovem e estreante Marius.

A arbitragem, a cargo da equipa do Algarve, chefiada por Nuno Almeida, bem como o VAR, não viram uma grande penalidade escandalosa sobre Otávio. Na expulsão do flaviense João Teixeira, o árbitro inicialmente mostrou-lhe o cartão amarelo, mas alertado pelo VAR, foi monitorizar o lance e acabou por corrigir a decisão, mostrando o cartão vermelho, com toda a justiça.

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

RANKING GOLEADORES PORTISTAS - Nº 247













FLÁVIO LARANJEIRA - Goleador Nº 247

Concretizou 3 golos em 7 jogos com a camisola do FC Porto, ao longo de 4 temporadas ao seu serviço (1924/25 a 1927/28).

Atleta dos anos 20, são escassas as informações possíveis de obter. Foi um avançado que esteve poucos anos no Clube, numa altura em que as competições se limitavam aos Campeonatos Regionais e ao Campeonato de Portugal.

























A sua estreia oficial com a camisola portista, aconteceu no dia 7 de Junho de 1925, no Campo da Constituição, frente ao Vianense, em jogo da 2ª eliminatória do Campeonato de Portugal, com vitória portista por 4-1. Flávio foi o autor do 1º e do 4º golos do FC Porto.

Faria o seu 3º golo e último, de azul e branco vestido,  no jogo seguinte, o das meias-finais do Campeonato de Portugal, disputado no dia 21 de Junho de 1925, no Campo do Covelo, no Porto, frente ao Espinho. Nova vitória por 4-1, com Flávio a marcar o último da partida.

Na final o FC Porto venceria o Sporting, por 2-1, sagrando-se campeão de Portugal pela 2ª vez.

Segue-se a foto da equipa de 1927/28, de que Flávio Laranjeira ainda fazia parte:

Durante as quatro temporadas com o emblema do FC Porto ao peito, Flávio foi utilizado no Campeonato Regional do Porto (só não jogou na sua primeira temporada), realizando 11 jogos, sem golos marcados), conquistando sempre o título regional.



















Palmarés ao serviço do FC Porto (1 título):

1 Campeonato de Portugal (1924/25)

Fontes: Almanaque do FC Porto, de Rui Miguel Tovar

sábado, 4 de agosto de 2018

CAMPEÃO PUXOU DOS GALÕES

















FIXA DO JOGO





























O Campeão nacional teve de puxar dos galões para levar de vencida a aguerrida equipa do Desportivo das Aves, tendo inclusivamente de reverter o resultado desfavorável a partir do minuto 14.

Sérgio Conceição apresentou duas estreias oficiais no onze titular.O jovem defesa central que alinhou na temporada passada na equipa B e na equipa de Sub-19, Diogo Leite e o avançado, também ele jovem, que jogou na equipa B e depois de Janeiro, foi emprestado ao Vitória de Setúbal, André Pereira.
























Uma final é sempre um jogo muito competitivo, mesmo que o adversário seja de menor valia, como foi o caso de hoje. O FC Porto apresentou-se naturalmente com maior favoritismo, mas o Aves conseguiu dar uma réplica interessante, como se esperava, tornando a partida interessante.

Os Dragões entraram fortes com Aboubakar a obrigar o guardião avense a fazer uma defesa espectacular para evitar o primeiro golo.

Numa altura em que os azuis e brancos dominavam, foi a equipa adversária a chegar ao golo, num remate primoroso de Falcão. Lance precedido de falta (pé em riste sobre Brahimi), que a equipa de arbitragem deixou passar em claro.

Seguiu-se uma fase  pouco esclarecida do FC Porto, visivelmente afectado com o golo sofrido, mas onze minutos depois, numa combinação fabulosa entre Aboubakar e Brahimi, o argelino fez a igualdade.























Os campeões nacionais estabilizaram o seu jogo e procuraram chegar à vantagem mas sem grande lucidez. Alguns passes falhados, más decisões e deficiência no remate levaram o empate até ao intervalo, com Brahimi lesionado a partir dos 39 minutos.

Na segunda parte os portistas apareceram mais coesos defensivamente e mais autoritários. Dominaram em toda a linha e o resultado acabou por sofrer a alteração esperada.

Primeiro foi Maxi Pereira a bater o guarda-redes Beunardeau, fazendo a bola passar-lhe por entre as pernas.























Jesús Corona deu a machadada final aos 84 minutos com um remate colocado.























Vitória justa da melhor equipa frente a um adversário que fez tudo o que podia para complicar.

Quem também tentou complicar foi a equipa de arbitragem que deixou bem evidente que o FC Porto vai ter de continuar a lutar contra tudo e contra todos.
























quarta-feira, 18 de julho de 2018

RANKING GOLEADORES PORTISTAS - Nº 246













RICARDO PEREIRA - Goleador Nº 246

Apontou 4 golos em 77 participações oficiais, com a camisola da equipa principal do FC Porto, ao longo das 3 temporadas ao seu serviço (2013/14, 2014/15 e 2017/18).

Ricardo Domingos Barbosa Pereira, nasceu no dia 6 de Outubro de 1993, em Lisboa.

Nascido e criado no seio de uma família portista, em Lisboa, Ricardo começou a sua formação no Clube Futebol Benfica (2001/02 a 2003/04), prosseguiu durante seis anos no Sporting (2004/05 a 2009/10) até rumar à Naval, no seu primeiro ano como júnior. O impacto que teve na Figueira da Foz fez despertar o interesse do Vitória de Guimarães, clube onde concluiu a formação e o lançou para a ribalta do futebol profissional, dando nas vistas e onde conquistou o seu primeiro troféu como sénior. Na final da Taça de Portugal de 2013, frente ao Benfica, apontou o golo do 2-1, que permitiu aos minhotos arrecadar o troféu. 

Quando chegou ao FC Porto, no Verão de 2013, era apontado como uma jovem promessa para a ala direita, apesar de no Vitória de Guimarães, já recuar por vezes para a posição de lateral.

























A sua juventude e irreverência não foram no entanto suficientes para entrar de caras no plantel principal, tendo alternado entre a equipa B e a principal.

A sua estreia oficial na equipa principal aconteceu no dia 18 de Agosto de 2013, no estádio do Bonfim, frente ao Vitória de Setúbal, em jogo da 1ª jornada do Campeonato nacional (Liga ZON Sagres), com vitória portista por 3-1. Foi uma estreia simbólica já que foi chamado ao jogo aos 93', a substituir Licá, para fazer os segundos finais.

A sua estreia a titular, foi em jogo da 3ª eliminatória da Taça de Portugal, realizado no dia 19 de Outubro de 2013, no Estádio do Dragão, frente ao Trofense, com a magra vitória por 1-0.

É desse jogo a imagem da equipa titular que se segue:























Já o seu primeiro golo, na equipa principal, foi alcançado no dia 9 de Fevereiro de 2014, no Estádio do Dragão, frente ao Paços de Ferreira, em jogo da jornada 18 do Campeonato nacional, com vitória portista por 3-0. Ricardo saiu do banco aos 90 minutos a render Silvestre Varela, ainda a tempo de marcar o terceiro golo portista, dois minutos depois.

Foram duas temporadas muito intermitentes, com mais utilização na primeira que na segunda e em que mostrou a sua versatilidade, como num célebre empate em Nápoles (2-2), alinhando a lateral, mas na esquerda! Seria um jogo premonitório: Em 2015/16 e 2016/17, Ricardo foi emprestado ao Nice e cresceu essencialmente como lateral, em ambos os lados do campo. Aliás, foi mencionado por várias publicações como um dos melhores neste posto específico na liga francesa.

No Verão de 2017, regressou  ao Dragão, melhor jogador, mais adulto e mais experiente,
para assumir um papel importante na equipa. Participou em 43 desafios, ganhou a titularidade como lateral, mas não deixou de dar o seu contributo mais à frente.  Em ambos os postos, a velocidade e a procura da profundidade para causar desequilíbrios foram as suas armas preferidas.











As suas performances valeram-lhe a presença no Mundial da Rússia/2018 (assunto que abordarei brevemente na rubrica Internacionais portistas) e a cobiça de vários emblemas europeus.

Os ingleses do Leicester venceram a corrida a troco de 25 milhões de euros, por cinco temporadas.

Palmarés ao serviço do FC Porto (1 título):

1 Campeonato Nacional (2017/18)

Fontes: Arquivo do blogue, Site oficial do FC Porto e Zeroazero.pt

segunda-feira, 16 de julho de 2018

MUNDIAL RÚSSIA/2018

Terminou no fim de semana passada o Mundial Rússia/2018, sem surpresas, face aos finalistas apurados. 

A Bélgica bateu claramente a Inglaterra, na atribuição do 3º e 4º lugares, enquanto a França venceu sem grandes dificuldades a Croácia, sagrando-se pela 2ª vez Campeão do Mundo.















quinta-feira, 12 de julho de 2018

MUNDIAL RUSSIA/2018

O Mundial Russia/2018 caminha a passos largos para o seu epílogo, com uma final inédita e 100% europeia.

Já sem representação de atletas portistas, o último (Maxi Pereira do Uruguai), caiu nos quartos-de-final frente à França, sem contabilizar qualquer minuto de utilização neste certame, e a partir de então sem qualquer preferência quanto ao vencedor, resta agora registar a conclusão do mesmo.


RESULTADOS DOS QUARTOS-DE-FINAL





















RESULTADOS DAS MEIAS-FINAIS










GRELHA


























Face ao emparelhamento oficial, que juntou de um lado as selecções tidas como mais candidatas, a final será tão surpreendente quanto inédita. A França é agora a mais favorita, mas a Croácia terá uma palavra a dizer, apesar de se apresentar aparentemente mais desgastada, fruto de ter sido obrigada a disputar 3 prolongamentos consecutivos.

Os dois jogos finais (apuramento do 3º e 4º lugares e final), serão realizados nos próximos Sábado e Domingo, com transmissão televisiva a cargo da RTP1 e SPORTV1, pelas 15H e 16H, respectivamente: