quarta-feira, 21 de setembro de 2022

RANKING GOLEADORES PORTISTAS

Mehdi Taremi continua a avançar paulatinamente no ranking dos goleadores portistas e já está muito próximo de chegar ao TOP30.

Ao apontar o único golo portista, no Estoril, de grande penalidade, a castigar mão na bola de Joãozinho, lance que foi escortinado pelo VAR e posteriormente verificado pelo próprio árbitro, no monitor posto à sua disposição, lance qua ainda assim demorou cerca de seis minutos a ser avaliado, quiçá na tentativa de encontrar algo que inviabilizasse a colocação da bola na marca de grande penalidade.

Na falta de melhores argumentos, o avançado iraniano partiu para a bola e concretizou o seu 7º golo da temporada (2 na Supertaça e 5 no Campeonato) e o 56º de Dragão ao peito, que lhe permite subir mais um lugar nesta classificação, fixando-se para já no 36º lugar, trocando a companhia de Rui Barros por Mike Walsh (1980/81 a 1985/86 - 123 jogos).





















domingo, 18 de setembro de 2022

NOVO APAGÃO E MAIS DOIS PONTOS A VOAR

 
















FICHA DO JOGO































SISTEMA TÁCTICO
























A deslocação ao Estoril constituiu mais um apagão do futebol portista que fez um jogo descaracterizado, longe, muito longe do que a equipa é capaz e já demonstrou esta temporada, mesmo tendo perdido activos importantes que a tornaram inevitavelmente mais fraca, já que os reforços tardam a mostrar as suas qualidades.

Os Dragões subiram ao relvado do António Coimbra da Mota com 4 alterações no onze titular, relativamente ao jogo anterior frente ao Club Brugges. João Mário, Pepe, Otávio e Galeno viram os seus lugares ocupados por Rodrigo Conceição, Fábio Cardoso, André Franco e Mehdi Tarem.






















Já não há jogos fáceis e o de hoje não fugiu à regra. A equipa da casa soube interpretar muito bem o que tinha estabelecido para o jogo, organizando-se de forma compacta defensivamente e sempre em alerta para explorar os erros que os jogadores azuis e brancos iam cometendo. E não foram poucos. De tal maneira que o resultado ao intervalo 1-0 para os da casa soava a lisonjeiro.

Nesse período a equipa portista foi manifestando uma série de problemas que a tornaram numa equipa acessível e fácil de anular. Jogadores pouco confiantes, lentos a decidir, a chegar sempre tarde à bola, passes transviados, dificuldades na recepção, futebol sem critério, fraca definição e ineficácia arrepiante.

Melhorou um pouco na segunda parte, onde criou mais oportunidades, mas por precipitação, umas vezes, outras por falta de talento e ainda outras por falta de sorte a bola tardou a beijar as malhas estorilistas só sendo possível aos 98 minutos e mesmo assim numa decisão em que a equipa de arbitragem demorou cerca de seis minutos para tentar arranjar motivos para não assinalar uma grande penalidade simplesmente clara. 

Taremi cobrou e não falhou. Os minutos de compensação foram jogados mais com o coração do que com a cabeça e por isso o resultado não voltou a funcionar.

O empate castiga todos os defeitos acima apontados e a jogar desta forma esta equipa perderá muitos pontos. Há pois que reflectir e arrepiar caminho, enquanto é tempo.

quarta-feira, 14 de setembro de 2022

DRAGÃO MASCARADO DE INGÉNUO PASSARINHO SOFRE GOLEADA HUMILHANTE

 
















FICHA DO JOGO
































SISTEMA TÁCTICO
























O FC Porto voltou a sair derrotado na Champions League, desta vez em casa e de goleada, numa exibição tão inexplicável como inadmissível, tal a desorientação que a equipa patenteou durante todo o jogo.

Foram 4 as alterações no onze titular, relativamente ao jogo anterior frente ao Chaves. Fábio Cardoso, Wendell, Toni Martínez e Mehdi Taremi, este castigado, deram os seus lugares a Pepe, Zaidu, Otávio e Evanilson.

Os azuis e brancos entraram para este jogo bastante temerosos e a manifestar uma gritante falta de confiança. Perderam  passes em catadupa, chegaram sempre atrasados aos lances, tiveram grandes dificuldades para receber passe longos, perderam quase todos os duelos, manifestaram incapacidade para ligar o jogo, fizeram entregas de bola aos adversários e remates disparatados, tudo isto em contraste com o futebol adulto, criterioso, bem elaborado e competente do seu adversário.

Face a esta postura, durante todo o jogo, a goleada até acabou suavizada pelo poste de Diogo Costa, num jogo em que nada fez sentido e em que as vedetas desceram ao nível de puros amadores principiantes.

Muito mau para ser verdade. Duvido que todo o grupo saiba tirar as devidas ilacções, para evitar espectáculos degradantes semelhantes, tendo em conta o exemplo recente de Vila do Conde, que como se viu, não serviu para nada.

segunda-feira, 12 de setembro de 2022

RANKING GOLEADORES PORTISTAS

De regresso ao Estádio do Dragão, após 21 dias de afastamento imposto pelas vicissitudes , do calendário desportivo, o FC Porto recebeu e venceu o GD Chaves, por claros 3-0, resultado que não obstante mascara um pouco as dificuldades sentidas durante o jogo.

Mehdi Taremi, Evanilson e André Franco, que se estreou a marcar, foram os «atiradores certeiros» da noite, construtores mais destacados desta vitória.

O primeiro surgiu bem cedo, logo aos 3 minutos, dando a ideia errada de facilidades que efectivamente não viriam a acontecer. João Mário ganhou o duelo à direita, cruzou, Toni Martínez saltou mais alto ao primeiro poste colocando a bola ao dispor de Taremi aparecer a cabecear para o golo.


Sexto golo da temporada (2 na Supertaça e 4 no Campeonato) e 55º de acumulado, subindo ao 37º lugar do ranking, juntando-se a Rui Barros (1987/88 e 1994/95 a 1999/00 - 244 jogos).






































Se o primeiro aconteceu cedo,  o segundo foi necessário esperar mais 67 minutos, já Sérgio Conceição tinha promovido duas alterações (Evanilson e André Franco para os lugares de João Mário e Toni Martínez).

Taremi interceptou um passe da defensiva contrária, conduziu a bola até à grande área convidando o guarda-redes a ir ao seu encontro. Assim que sentiu ser o momento, tocou para a entrada de Evanilson que só teve de encostar para as redes desertas (70').


O avançado brasileiro obteve o seu quarto golo da temporada (1 na Supertaça e 3 no Campeonato), acumulando 29 golos de Dragão ao peito, que o isola na 84ª posição. 


















O terceiro e último golo da partida pertenceu a um estreante, reforço desta época vindo do Estoril Praia, de seu nome André Franco. Cruzamento de Veron que passou por toda a gente, Paulo Vítor não agarrou e o médio portista só teve de encostar, fazendo a bola beijar as malhas.


Primeiro golo de azul e branco e entrada para o último lugar deste ranking (437), na companhia de um largo pelotão.



domingo, 11 de setembro de 2022

DEPOIS DA TEMPESTADE VEM SEMPRE A BONANÇA, NEM QUE O NOBRE NÃO QUEIRA

 
















FICHA DO JOGO




























SISTEMA TÁCTICO
























O FC Porto regressou às vitórias, após o desaire em Madrid, mesmo contra as intenções de uma arbitragem medíocre que evidenciou uma flagrante dualidade de critérios, sempre em prejuízo dos azuis e brancos, quiçá para os deixar desconfortáveis, mas sem sucesso.

Foram 4 as alterações promovidas pelo técnico Sérgio Conceição, relativamente ao jogo anterior, manifestamente numa gestão do seu plantel, tendo em conta o desgaste de um calendário bastante apertado. João Mário, Fábio Cardoso, Wendell e Toni Martínez foram os eleitos, atirando para o banco Pepe, Zaidu e Evanilson, enquanto Otávio se encontra lesionado.


























Num jogo que se antevia difícil, os Dragões marcaram muito cedo (3 minutos), por Mehdi Taremi, mas nem por isso a equipa foi capaz de serenar, permitindo algumas incursões na sua área, que a serem bem aproveitadas poderiam ter mudado o curso dos acontecimentos, tanto mais que a actuação da equipa de arbitragem entrou numa espiral de decisões tendenciosas que acabaram por enervar os atletas e toda a plateia do Dragão, que se fez ouvir com assobiadelas estrondosas.

O futebol praticado não foi de grande qualidade e por isso o jogo foi pouco interessante, apenas com alguns bons apontamentos aqui e acolá.

Foi necessário mexer no onze para que o resultado se dilatasse para números confortáveis. Evanilson (70') e André Franco (82'), coloriram o resultado final, bem melhor que a exibição.

Os prémios do jogo recaíram em Mehdi Taremi (Homem do Jogo), Matheus Uribe (Mérito e Valores Porto) e Diogo Costa (Clean Sheet).




sábado, 10 de setembro de 2022

RANKING GOLEADORES PORTISTAS

Matheus Uribe foi o autor do golo de honra, na derrota por 2-1, em Madrid, frente ao Atlético local, no jogo da primeira jornada do Grupo B da Champions League.

Foi na marcação de uma grande penalidade a castigar mão na bola de Hermoso, que o médio portista cobrou e não perdoou, aos 96 minutos, restabelecendo na altura o empate (1-1), que seria desfeito, para lá do período de compensação inicialmente dado pelo árbitro da partida.

O médio colombiano atingiu a marca de dois golos nesta temporada (1 Campeonato nacional e 1 Liga dos Campeões) e acumula 12 golos de Dragão ao peito, guindando-se ao 150º lugar do ranking, na companhia de Lima Pereira (1978/79 a 1988/89 - 264 jogos), Eloi (1985/86 e 1986/87 - 28 jogos), Branco (1988/89 a 1990/91 - 81 jogos), Demol (1989/90 - 39 jogos), Fernando Couto (1987/88 a 1993/94 - 158 jogos), João Manuel Pinto (1995/96 a 1999/00 - 109 jogos), Tarik Sektioui (2006/07 a 2008/09 - 57 jogos) e Óliver Torres (2014/15 e 2016/17 - 55 jogos).


















quinta-feira, 8 de setembro de 2022

DOIS ERROS DEFENSIVOS HIPOTECARAM TRÊS PRECIOSOS PONTOS

 
















FICHA DO JOGO





























SISTEMA TÁCTICO
























O FC Porto voltou a não ser feliz em Madrid, em mais uma visita ao Atlético, acabando derrotado no tempo de compensação, período em que surgiram os três golos do encontro.

Sérgio Conceição procedeu a duas alterações no onze titular, relativamente ao jogo anterior em Barcelos, fazendo regressar Zaidu e Evanilson, para os lugares de Wendell e Toni Martínez.
























Jogo muito controlado de parte a parte, como se previa, mas com o FC Porto quase sempre mais perigoso mas pouco eficaz, a perder algumas boas transicções, umas vezes por precipitação, outras por incapacidade técnica individual para resolver da melhor maneira.

Os Dragões estiveram em largos períodos do jogo por cima, mas incapazes de materializar em golos essa superioridade. Para piorar a situação viu-se privado de Otávio aos 77 minutos por lesão e depois de Taremi, por expulsão exagerada, aos 82 minutos, quiçá a pagar a factura da campanha insidiosa de que tem sido alvo pela Comunicação Social. 

Mas a arbitragem não se ficou por aqui. Deu 9 minutos de compensação, perfeitamente compreensíveis, mas fê-la dilatar até aos 101 minutos, para pesadelo da equipa portuguesa. Se este tipo de situações são já o pão nosso de cada dia na história do FC Porto, com que temos infelizmente de conviver já as falhas de concentração que levaram aos dois golos sofridos são da nossa única responsabilidade, pois não fomos capazes de controlar aquilo que era suposto depender de nós. No primeiro, um ressalto em João Mário que me pareceu demasiado displicente na forma como tentou abordar o lance. Aliás tenho para mim que este atleta é ainda muito imaturo e sem lugar numa equipa de topo como é o FC Porto. A mim ainda não me convenceu. Não entendo como o lugar de defesa direito não foi alvo de reforço, já que os que temos de raiz, um está há bastante tempo lesionado e o outro anda pela equipa B.

No segundo golo, não consigo compreender como se deixa completamente solto, junto ao segundo poste um jogador como Grizmann. 

Ora a este nível, falhas desta natureza são imperdoáveis e fatais, por isso uma derrota castigadora e merecida, apesar de todas as outras contrariedades que não são possíveis de controlar.