quarta-feira, 3 de outubro de 2012

VITÓRIA JUSTA MAS ESCASSA

FICHA DO JOGO
(Clicar no quadro para ampliar)


Foi com uma exibição que pautou pela coesão da equipa e alguma concentração que o FC Porto conseguiu levar de vencida a organizada equipa francesa do Paris SG, guindando-se assim a primeiro lugar isolado do grupo A.

Os campeões nacionais entraram muito bem no jogo confundindo os gauleses que se viram «gregos» para manter as suas redes invioladas. Os azuis e brancos em apenas quatro minutos de jogo fabricaram duas boas ocasiões para marcar, mas a falta de pontaria foi protegendo a equipa adversária que só a partir dos dez minutos conseguiu rematar com perigo, com a colaboração da defensiva portista.

Os Dragões conseguiram quase sempre controlar o jogo e gerir os momentos e o ritmo que mais lhe convinha. Utilizando uma pressão alta, em todas as zonas do relvado, recuperando muitas bolas e construindo boas jogadas de ataque, os portistas ficaram a dever à sua ineficácia no remate, a igualdade com que se atingiu o intervalo.

A segunda parte começou como a primeira, ou seja, o FC Porto a desperdiçar mais uma boa oportunidade e a mandar no jogo. A ineficácia no remate mantinha-se e o Paris SG começou a equilibrar a partida, sem no entanto conseguir construir jogadas de perigo iminente.

Por volta dos 60' Silvestre Varela perdeu a maior oportunidade de golo. Moutinho conduziu um rápido contra-ataque, desmarcou na perfeição o extremo português que rematou contra o guarda-redes! Foi um momento de desespero no Estádio. A equipa não esmoreceu continuando à procura da vitória. Já com Atsu em campo, o perigo voltou a rondar a baliza dos franceses até que o prémio acabaria por chegar aos 83'. Num momento de inspiração, James Rodríguez rematou de primeira uma bola que lhe surgiu da cabeça de Jackson, desferindo um remate cruzado que deixou o guardião contrário impotente para o deter.
Foi uma vitória justa mas escassa, em função das oportunidades criadas. Exibição pendular, inteligente, com alguns momentos de futebol de bom quilate, onde o colectivo superou as individualidades. Talvez James mereça a distinção apenas porque foi ele o marcador do golo.

5 comentários:

  1. Boas Rui,

    Antes de mais uma palavra aos desacreditados e detratores ... á cabeça esse grande portista de seu nome MST ... por muito que digam mal de VP, da direção, dos jogadores ... hoje gostava de ler o que tem dizer.

    O FCP fez um jogo imaculado, ao nivel das melhores exibições europeias como em 87, 2003 e 2004 e a época de libras boas ... era injusto a derrota ou o empate apesar de quando terminou a primeira parte pensar em outras vitorias morais que não foram concretizadas.

    Posto isto estivemos perfeitos, não embandeirando em arco, mas quer defensivamente quer ofensivamente estivemos perfeitos e o resultado peca por escasso.

    Não sou otimista por natureza no entanto tinha um "feeling" que nestes jogos grandes iriamos demonstrar o que somos e o que valemos e não me enganei ... foi uma vitoria sem espinhas e inteiramente justa.

    Agora a que aproveitar esta embalagem e limpar os nossos adversários quer nossa liga quer na champions.

    um abraço

    http://fcportonoticias-dodragao.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. FC Porto 1 – PSG 0
    Cheguei cansado a Vila Real, mas valeu a pena. Deu sorte ir ao Dragão!
    O meu FC Porto fez um belíssimo jogo e ganhou! Vim feliz na companhia da maior portista do mundo (sem desprimor para todas as outras Mulheres portistas) – a minha Filha- e de um entusiástico Dragão da “Bila” – o Pedro Cardona.
    Vim feliz por ter estado com muitos amigos e em especial com a malta do “Bibó Porto, carago”. Vim muito feliz porque assisti a mais uma grande vitória do meu Clube no mais bonito estádio do Mundo.
    Estou feliz por poder dar os parabéns ao treinador do FC Porto, Vítor Pereira, e aos jogadores que lutaram até à exaustão na procura da vitória. PARABÉNS! PARABÉNS A TODOS!
    Bibó POOOOORTO!

    ResponderEliminar
  3. Um Porto com a lição bem estudada, tacticamente irrepreensível, sabendo o que era preciso fazer e como fazer, venceu, justamente, embora por um resultado que não premeia a sua exibição, uma grande equipa, recheada de grandes jogadores. Atitude, carácter, personalidade e qualidade, mostraram a capacidade desta equipa quando tem a atitude correcta. Foi uma exibição quase perfeita e só não atingiu a perfeição, porque fomos perdulários, porque tivemos uma ou outra falha individual, felizmente, sem consequências, caso contrário não havia nada a apontar ao bi-campeão português no jogo desta noite.

    Entrando bem, sem temores e olhando nos olhos o milionário clube francês, seguro atrás - descontando aquela "brincadeira" de Helton...-, bem organizado no meio-campo - Fernando deu solidez e permitiu que os laterais subissem sempre, mais e melhor, Alex Sandro que Danilo - rápido e criativo no ataque, onde Silvestre Varela esteve a um nível que fez recordar os primeiros tempos de dragão ao peito, o F.C.Porto dominou, foi bem melhor, podia e merecia, chegar ao intervalo a vencer. Se a primeira-parte já tinha sido boa, segunda ainda entusiasmou mais. O domínio manteve-se, o ritmo aumentou, a qualidade e as oportunidades também e apenas a falta de eficácia impedia o conjunto de Vítor Pereira de chegar à vantagem que justificava, claramente. Pena, muita pena, que algumas jogadas, lindas!, duas, pelo menos, com diagonais brilhantes a deixar Varela primeiro e Atsu depois, na cara do guarda-redes, de um João Moutinho que foi monstruoso, não tenham acabado no fundo das redes do clube parisiense. Mas o futebol hoje foi justo com o F.C.Porto e tantas vezes o cântaro foi à fonte, que James, depois de já antes ter ameaçado, marcou um grande golo e deu os 3 pontos e mais um milhão, à melhor, de longe, equipa em campo.

    Notas finais:
    Quando uma equipa sob ponte de vista colectivo, faz uma exibição assim, nem apetece destacar ninguém... Mesmo que Alex Sandro - este menino é um cracão -, Fernando - ainda não está com a rotina do espaço que deve ocupar em certos lances, nomeadamente e tal como aconteceu em Vila do Conde, na zona frontal da área -, João Moutinho - que exibição! - e Varela - terá regressado, definitivamente, o Drogba da Caparica? -, estivessem um bocadinho acima dos outros, que jogaram todos a um nível elevado.

    A uma palavra para o Mister.
    Se frente a uma grande equipa como é o PSG, o F.C.Porto joga de uma maneira que em alguns períodos chegou a ser brilhante, exibição alicerçada num colectivo notável e numa organização quase perfeita, sem esquecer um grande trabalho de conhecimento sobre o forte adversário, o seu treinador merece os parabéns. Mais, devia merecer respeito, não ser o bombo da festa, quando as coisas correm menos bem.

    E a nota final, é para o público do Dragão que hoje foi o 12º jogador, todo o tempo. Assim, nesta comunhão equipa/adeptos, seremos muito, mas mesmo muito, fortes.
    No final do jogo de Vila do Conde foi criticada a postura das claques que deram um voto de confiança à equipa, aplaudindo-a, apesar da exibição e a atitude não terem sido as melhores. Hoje a equipa agradeceu com uma vitória e uma exibição para ninguém deitar defeito

    Abraço

    ResponderEliminar
  4. Bom dia

    O FC Porto encarou o jogo, como deveria encarar: Favorito!

    O adversário, novo rico da Europa do futebol, levou um banho de bola perante um dos melhores clubes europeus.

    Fomos agressivos, dominamos e controlamos perfeitamente o jogo, permitindo apenas por duas vezes que o PSG criasse real perigo.

    O nosso trio do miolo, ritmou o jogo, foi inteligente tácticamente, pressionando na saída de bola a equipa francesa.

    Foi neste sector da equipa que residiu o segredo para a vitória, com Moutinho sublime.

    VP esteve bem na substituição de Varela por Atsu, pois nos últimos 15 minutos, dava a ideia que a equipa já se havia conformado com o empate, e já começava a irritar o jogo da nossa equipa, pois nós somos melhores e sentíamos que se apertássemos venceríamos.
    O jovem africano foi o elemento que despertou o nosso jogo e nos empurrou para a frente, e eis que apareceu James no jogo, que até então estava encolhido, e até poderia ter sido alvo de substituição.

    Moutinho o melhor em campo, numa excelente iniciativa proporcionou a El Bandido uma finalização sublime de primeira, garantindo-nos assim a justa vitória e um passo importantíssimo rumo aos oitavos-de-final.

    O resultado foi escasso face ao nosso domínio e oportunidades criadas.

    Agora há que não embandeirar em arco, ser humildes, e encarar todos os jogos com a mesma atitude.
    Temos de melhorar muito na finalização. Jackson aparece muitas vezes perdido, parecendo que a bola foge dele.

    Abraço
    Paulo

    pronunciadodragao.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  5. Sigam o projecto de revista online mais entusiasmante do universo virtual em português.

    Futebol Magazine
    www.futebolmagazine.com

    Uma tertúlia futebolística para tudo e todos!

    ResponderEliminar