sexta-feira, 9 de setembro de 2011

RESULTADO CURTO PARA EXIBIÇÃO AGRADÁVEL

FICHA DO JOGO
(Clicar no quadro para ampliar)

O resultado conseguido hoje pelo FC Porto não espelha a grande superioridade com que os Dragões se impuseram aos sadinos, equipa eminentemente defensiva e nada ambiciosa, ciente dos riscos de jogar o jogo pelo jogo, frente aos campeões nacionais.

Conseguiram bloquear o jogo portista nos primeiros vinte minutos, não permitindo espaços nem possibilidades de remates aos jogadores azuis e brancos.
Vítor Pereira, a pensar já no jogo da Liga dos Campeões, surpreendeu ao poupar de início João Moutinho e Hulk.  No entanto, depois desse período de maior acerto defensivo do Setúbal, James Rodríguez, Cristian Rodríguez, Defour e Álvaro Pereira fizeram emergir as suas qualidades e o futebol portista saiu mais fluído, mais dinâmico e mais bonito. Os sadinos tiveram até ao intervalo um aliado imprevisto, a barra da sua baliza que conseguiu parar três remates com selo de golo e ainda um guarda-redes inspirado.

O nulo ao intervalo era assim um resultado tão injusto quanto mentiroso.

João Moutinho entrou logo para o recomeço do encontro. Nos balneários ficou Souza. Vítor Pereira ensaiou então um novo esquema com dois pivots defensivos, Moutinho e Defour, que alternadamente defendiam ou apoiavam o ataque. A verdade é que o Setúbal começou a cometer erros e a desorganizar-se na defesa. Daí até à inauguração do marcador foi um ápice. Moutinho ganhou a bola à entrada da área e não se fez rogado, rematou colocado para o primeiro golo, desbloqueando o resultado.
Já com Hulk em campo e depois de esbanjadas mais algumas soberanas ocasiões para dilatar o marcador, James Rodríguez, a passar por um belo momento de forma concluiu uma jogada de ataque brilhante com a bola a ser trocada ao primeiro toque, em progressão por cinco jogadores portistas. Uma jogada e um golo para a galeria, um hino ao futebol ofensivo.

Até ao final do jogo foi uma autêntica cavalgada, um massacre na procura de outros golos. Belluschi haveria de ver coroada de êxito um remate frontal à entrada a área.
Foi uma exibição bem conseguida, com os tais vinte minutos de muitas dificuldades mas a subir de nível com o decorrer do encontro, já com belos nacos de futebol virtuoso. Ficou evidente a classe do plantel. Defour confirmou a utilidade da sua contratação, jogou com raça e classe. Foi pena não ter tido a sorte para desfeitear Diego num lance em que se desmarcou a preceito aparecendo na cara do guarda-redes. Cristian Rodríguez, mostrou como pode ser um jogador importante com a alegria e a disponibilidade patenteada. James, como já afirmei, está em grande forma e mostra-se desconcertante. Álvaro Pereira emprestou uma profundidade ao flanco inigualável. Pecou um pouco nos cruzamentos excessivamente compridos. Moutinho e Hulk foram decisivos. Belluschi criativo, dinâmico e muito combativo. Pena não corrigir a capacidade de finalização. Continua a perder bons ensejos com remates algo disparatados.

Bom ensaio para o próximo jogo.

6 comentários:

  1. Boas,

    Um grande jogo de futebol, daqueles que só é pena o arbitro terminar no tempo regulamentar. O FC Porto fez uma exibição fantástica, que só pecou pela escassez de golos, o treinador mostrou mais uma vez que escolhe os que estão melhores e não hà lugar cativo, e uma palavra para um miúdo James !!! que grande jogador. Uma nota especial para o meio campo, com especial incidência em Defour que se estreou a titular e demonstrou que acertamos mais uma vez.

    Um abraço

    http://fcportonoticias-dodragao.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  2. Boa noite,

    Hoje fizemos um excelente jogo, sufocamos o Setúbal, e houve magia no sobre o relvado do Dragão.

    O nosso meio campo esteve muito bem, sobretudo após a entrada de Moutinho, a criar muitas situações de golo.

    O tridente Moutinho/Defour/Belluschi vai dar muito que falar. Grande dinâmica deste trio. Defour faz carrinhos!!!! e tem uma excelente capacidade de passe! Este jovem belga em pouco tempo poderá agarrar um lugar mais habitual na equipa.

    O Setúbal só não saiu goleado do Dragão devido à exibição de Diego e à nossa falta de sorte.

    Efectuamos perto de 30 remates em cerca de 60 ataques. Foi um caudal ofensivo tremendo.

    Destaques individuais para Defour, Belluschi e Moutinho. Um dos três pode ser o melhor em campo.
    Hulk em 20 minutos fez duas assistências para golo ... fantástico. James ... bem este menino se tiver cabecinha vai ser a revelação da época.

    O Setúbal só por uma ocasião incomodou Helton.
    Este Setúbal tem equipa para mais e melhor. O seu treinador estacionou o autocarro, traçando uma estratégia ultra defensiva. Na minha opinião vai ser a próxima chicotada psicológica da época.

    Nota negativa para o árbitro. Uma galinha com capacidade de assoprar fazia melhor trabalho.

    Realce para o fantástico apoio do público.

    Abraço e bom fim de semana

    Paulo

    pronunciadodragao.blogspot.com

    ResponderEliminar
  3. caríssimo,

    ainda estou belluschiado® com a exibição de hoje ;)
    penso que paulatinamente o nosso mister está a conduzir a água ao seu moinho.


    «este é o nosso destino»: «a vencer desde 1893»!

    saudações desportivas mas sempre pentacampeãs! ;)

    Miguel | Tomo II

    ResponderEliminar
  4. O melhor de tudo é a confiança que esta equipa está a dar. Como exemplo (e por não poder estar presente), quando soube o resultado ao intervalo (o que noutras alturas dava para nervoso miudinho) só pensei, tal a confiança, que no segundo tempo tudo se resolvia e bem, faltando só entrar a primeira bola (golo)para o resto vir por acréscimo... como aconteceu.

    Como só vi as imagens à posteriori, limito-me a inteirar-me de tudo e mais alguma coisa pelos blogs amigos e pelo Porto Canal, feliz com mais esta vitória.

    ResponderEliminar
  5. Depois de um período que durou 15 a 20 minutos, em que a equipa pareceu desorganizada, lenta, previsível e sem encontrar as melhores soluções para desmontar a teia sadina, o F.C.Porto arrancou para uns 25 minutos finais da 1ª parte de grande domínio, excelente dinâmica, encostou o Vitória lá atrás e só não chegou ao intervalo a vencer por manifesta falta de sorte. Se a diferença mínima, seria escassa, o nulo era uma grande injustiça.

    Se a 1ª parte foi muito boa, se excluirmos os referidos minutos iniciais, a 2ª foi fantástica. Tirando Souza - não estava a jogar mal...- e fazendo entrar J.Moutinho, o técnico portista disse ao que ia. O pequeno grande jogador, que ainda não tinha aparecido ao nível da temporada anterior, entrou muito bem, começou a "pegar" mais à frente, arrastou com ele Defour, Belluschi e a equipa, para uma exibição de grande qualidade, com períodos de grande fulgor, empolgamento e galvanização, que entusiasmaram os mais de 36 mil espectadores que se deslocaram ao Dragão.

    Como corolário e naturalmente, o golo apareceu e por quem tinha feito por isso, o inspirado nº 8 do F.C.Porto. A ganhar a equipa não baixou, nem o ritmo, nem a qualidade e numa jogada belíssima que meteu toque de calcanhar de Hulk, James fez o 2-0 e sentenciou o jogo. A perder por dois golos de diferença e sem nada a perder, o Setúbal reagiu, incomodou por duas vezes Helton, mas o capitão portista evitou a alteração do resultado com duas belas defesas. O terceiro, por F.Belluschi, deu outro colorido a um marcador, que, mesmo assim, ficou aquém do que a equipa campeã nacional merecia.
    Resumindo: uma bela noite de futebol e uma exibição que convenceu o mais exigente dos adeptos. Estamos no caminho certo, temos qualidade e quantidade para mais uma época à altura dos pergaminhos do melhor clube português.

    Notas finais:
    Moutinho foi grande, mas não foi o único. Houve vários, mas apenas vou abrir outra excepção e referir outro que me encheu as medidas: S.Defour.
    Quem joga pela primeira vez a titular e perante a exigente plateia do mais belo estádio do mundo, mostra tanto à vontade e qualidade, como se estivesse no F.C.Porto há muitos anos, só pode ser um grande jogador e uma grande aquisição.

    Pela negativa, tenho pena, mas só pode ser Maicon. Mas também esperava mais de Kléber...

    Abraço

    ResponderEliminar
  6. Não gostei da primeira parte do FC Porto, ainda que houvesse 3 bolas na barra. A segunda parte foi de luxo! Equipa mais subida e pressão alta, foram as chaves da nova dinâmica. Realces para Défour (temos jogador), Belluschi (que visão de jogo! Esteve nos 3 golos), Moutinho (joga sempre bem…), Hulk (duas assistências para golo com 20 minutos em campo…!), Christian Rodriguez (muito esforçado, batalhador), James (que pés, que perfume o seu futebol!) e… Helton (os guarda-redes são poucas vezes designados; Helton está lá e bem).

    A saída de Souza (não nos consegue convencer, não é verdade?...) coloca uma questão que, a partir de hoje, se torna de uma importância capital na equipa: poderemos jogar sem Fernando e/ou Souza? Se sim então quem deve desempenhar o papel de trinco? Moutinho, Defour, Guarin? Eu apostava num dos dois primeiros com incidência no Moutinho. Seja como for uma vantagem evidente: será um trinco muto mais desenvolto que Fernando ou Souza para despoletar jogadas ofensivas. Vítor Pereira, só ele, saberá o que fazer; mas é uma questão interessante que eu gostaria de ver lançada em debate na blogosfera portista.

    Em suma: FC Porto com uma excelente 2.ª parte, num jogo muito difícil ante uma equipa do Vitória de Setúbal bem organizada e com alguns bons executantes.

    E lá vamos, de vento em popa!

    Um abraço.
    BIBÓ PORTO!
    Fernando Moreira

    ResponderEliminar