sábado, 8 de janeiro de 2011

CRISE? QUAL CRISE?

FICHA DO JOGO
(Clicar no quadro para ampliar)

Depois da derrota frente ao Nacional da Madeira, impunha-se uma resposta adequada à propalada pressão, profetizada pelo ruminador-mor de pastilha elástica, do Império, que alegadamente ia intranquilizar a equipa portista e aumentar os níveis de confiança dos campeões dos túneis.

A resposta foi pronta, clara e inequívoca. A equipa respira saúde e está aí para continuar a demonstrar a sua superioridade, partindo para a segunda metade do campeonato com a preciosa vantagem de, pelo menos, oito pontos, sobre o mais directo perseguidor.

O adversário desta noite, trazia como chancelas, a eficácia da sua linha defensiva, cotada como a segunda menos batida, até então (10 golos), bem como o  elogiado (pelos pasquins do Reino) bom comportamento, na semana anterior, no «circo» da segunda circular. 

A verdade é que não foi fácil abrir a bem montada muralha insular. Silvestre Varela, por duas vezes e James Rodríguez, numa ocasião, desperdiçaram o ensejo de festejar mais cedo o golo.

O FC Porto entrou dominador e a procurar com insistência a vantagem, mas mais uma vez a pouca eficácia no remate foi adiando os festejos, até que,  aos 37', uma bomba de Guarín, a 37 metros da baliza, fez a bola beijar as malhas, para gáudio de todos os portistas espalhados por esse mundo fora, colocando justiça no resultado.

Os Dragões prosseguiram na sua tentativa de dilatar o marcador e já no minuto de compensação da primeira parte, após toque de calcanhar de Guarín, João Moutinho atirou colocado, mas a bola foi esbarrar no poste direito, perdendo-se mais uma soberana ocasião.

No segundo tempo, o jogo do FC Porto aumentou de intensidade e o Marítimo acusou, abrindo mais espaços, incapaz de se opor com a mesma determinação.

Foi pois, com toda a naturalidade que surgiu o segundo golo. Hulk recebeu um passe curto de James, enquadrou-se com a baliza, rematou forte ao ângulo direito de Marcelo, rubricando mais um belo golo, o 14º no campeonato. 

O Marítimo esboçou então uma ligeira reacção. Aos 64' Helton foi posto à prova numa defesa complicada mas eficaz. Aos 70',  Sapunaru e Djalma disputam a bola, o romeno toca na bola, o maritimista pisa o seu pé direito e Xistra, manda marcar falta contra o FC Porto, mostrando o cartão amarelo ao defensor portista! Simplesmente ridículo! Na sequência da marcação do livre, o Marítimo marca, reduzindo a diferença par 2-1. Sapunaru ficou inferiorizado fisicamente e teve de dar o seu lugar a Maicon, que foi ocupar a sua posição habitual, no centro da defesa, derivando para a lateral o argentino Otamendi.

Os Dragões continuaram com o pé no acelerador e Guarín colocou o FC Porto a vencer por 3-1, em mais um belo golo. A equipa visitante estava cada vez mais desunida pelo que o quarto golo não tardou. Fugida pelo lado esquerdo de Hulk, que rápido e em progressão lavou consigo os adversários e já dentro da área serviu James Rodríguez, no lado contrário, a facturar sem dificuldades. O colombiano esteve próximo de bisar na partida, no tempo de compensação, mas o remate perigoso de cabeça, com tudo para fazer o golo, acabou por sair a rasar a barra.

Guarín foi o homem do jogo. Fez uma excelente exibição (mais uma) e ainda marcou dois belos golos. Não compreendo como ainda há quem o considere um tosco!

Registo para o reaparecimento de Mariano Gonzalez, finalmente apto depois de longa lesão.

6 comentários:

  1. Grande resposta da equipa do F. C. Porto a todas as campanhas que a mouraria lançou ao longo da semana, grande jogo dos nossos futebolistas e uma vitória esclarecedora, apesar de ter de jogar também contra aquela péssima arbitragem, do Xistrema nojento e escandaloso. Guarin é mais um que com Villas-Boas até parece outro!
    Abraço.
    http://longara.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  2. Grande resposta à apregoada “pressão” que os encornados nos queriam impingir!
    O FC Porto entrou com jogo algo sofrido mas acabou a primeira parte em bom plano. Depois sim, grande segunda parte, com os jogadores a interpretarem muito bem o que o treinador queria e lhes pedia. A falta de Falcão (notória na primeira parte) ficou esquecida e houve excelentes exibições de Moutinho, Guarin, James, Hulk, Otamendi, Rolando, Beluschi e… Helton.
    Xistra também esteve ao seu nível… mas não pode despachar toda a “encomenda”.
    E então, a pressão? Ai Jesus, que pressão tremenda nós temos em cima…

    ResponderEliminar
  3. Regresso à normalidade com uma exibição boa, momentos muitos bons e uma vitória indiscutível que até podia ser mais dilatada, frente a uma equipa competente que, no último terço do campo, dá dez a zero ao Nacional.

    Grande Guarín, grande Moutinho, Incrível Hulk. Bom regresso do Varela e a defesa, guarda-redes incluído, a dar a abébia do costume. Aprende-se nos infantis que quem está de frente para a bola tem de a atacar no ar, com contundência e sem facilitar. Não pode voltar a acontecer. Estamos com o jogo controlado, a dominar, esperava-se o terceiro e acontece um golo tão consentido?

    Um abraço

    ResponderEliminar
  4. Bom dia,

    Ontem tivemos a atitude certa, diante de um Marítimo que veio fazer jogo passivo, abdicou de atacar, e tinha como clara estratégia chegar ao intervalo com o marcador a zero, e jogar com o nosso possível nervosismo na segunda parte.

    Mas Guarin com um golaço abriu o marcador e deu justiça ao marcador à partida para o intervalo.

    Nota para Carlos Xistra, na primeira parte, que fartou-se de apitar, teve má avaliação de lances, de interpretação de leis da vantagem etc.
    Deveria ter expulso Ricardo Esteves que num lance sem bola deu com os braços no rosto de Belluschi. No lance do golo do Marítimo, é Sapunaru que é pisado, sai mesmo lesionado e ainda leva amarelo, quando o amarelo seria para Djalma, ou seja segundo da noite para Djalma e que portanto deveria ser expulso.
    Felizmente este lance não teve influência no resultado, pois nós fizemos um jogo bravo e vencemos bem, e para penalizar a atitude do Marítimo, devia ter sido por score mais elevado.

    Guarin foi o homem do jogo. Neste esquema de jogo de Villas-Boas em que não há um médio defensivo fixo, Guarin pela sua força, capacidade técnica, resistência física e capacidade de remate de longa distância, tem vindo a ganhar o seu espaço na equipa, aproveitando bem a lesão de Fernando.
    Vai ser uma boa dor de cabeça para AVB decidir quem ocupará a posição mais recuada do meio campo.

    Moutinho foi o pêndulo da equipa, fantástico.
    James também está a aproveitar bem as oportunidades, e em jogos que tem mais espaço, demonstra toda a sua capacidade.
    Hulk está a fazer uma época fantástica, e ontem esteve bem.
    Helton transmite serenidade, Otamendi foi um "bombeiro", Sapunaru e Rafa também estiveram bem.
    Destaque também para o regresso de Mariano e para o público.

    Concluímos a 1ª. volta com um excelente registo e agora temos 8 jogos fora e 7 em casa até final do campeonato, que vamos lutar para vencer e reconquistar o ceptro de campeões que nos foi roubado na época passada.

    Abraço

    Paulo

    http://pronunciadodragao.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  5. O jogo correu melhor, em todos os aspectos, na segunda parte do que na primeira, na qual o FC Porto me pareceu afectado e algo intranquilo. Valeu a acção de Moutinho, Guarim, James, Hulk e, ainda que em menor escala, Varela.

    Com Falcao e Pereira, seremos ainda mais fortes e manteremos a concorrência em respeito.

    ResponderEliminar
  6. Regressámos às vitórias, e que grande jogo! Muita classe, muita energia positiva, e grandes jogadores. Um culminar de boas jogadas que resultaram num resultado recheado, a que se acrescentam imensas outras hipóteses.

    Um abraço

    ResponderEliminar