sábado, 22 de janeiro de 2011

VITÓRIA DIFÍCIL, COMO SE ESPERAVA

FICHA DO JOGO
(Clicar no quadro para ampliar)

Não há dois jogos iguais, mesmo que as equipas em confronto sejam as mesmas. Esta é uma máxima do futebol que só não se confirmou porque efectivamente as equipas de hoje, apesar de envergarem os mesmos emblemas não foram as mesmas do jogo anterior.

Por isso esperavam-se maiores dificuldades para o FC Porto e essas sim, confirmaram-se durante toda a partida. O Beira-Mar apresentou-se na máxima força e a praticar um futebol muito mais organizado, rigoroso e pressionante, envolvendo os Dragões num espartilho complicado de ultrapassar. 

Faltou ao futebol portista espaço para desenvolver as suas acções ofensivas, mas também  engenho, criatividade, velocidade e simplicidade de processos,  raras vezes presentes, evidenciando o mau momento de Silvestre Varela e o mau desempenho de Belluschi. O extremo, ainda à procura da sua melhor forma, foi o protótipo da vulgaridade. Sem velocidade, sem ritmo, sem confiança, estragou quase todas as jogadas que lhe passaram pelos pés, apesar de ser dele o cruzamento que acabaria por originar o penalty sobre Hulk, que de resto, se transformaria no golo da vitória. O médio argentino andou completamente perdido, desconcentrado e disparatado.  Hulk, colocado no centro de ataque, não conseguiu ser tão desequilibrador.

O FC Porto apenas conseguiu criar, durante todo o jogo três boas ocasiões para marcar: James Rodríguez, aos 38' apareceu bem colocado para rematar com êxito, mas o remate saiu ao lado; Hulk, aos 65', num remate sobre a esquerda, em arco, fazendo a bola passar muito próximo do poste e aos 88', Cristian Rodríguez, depois de dominar a bola com o peito, muito bem posicionado, rematou forte mas ao lado. 

Muito aquém do rendimento habitual.

Foram estes os pontos altos de um jogo fraco, chato e sem grandes desempenhos.

Mesmo sem jogar bem, a vitória portista foi justa, premiando a única equipa capaz de criar oportunidades para marcar. Hulk voltou a ser decisivo e por isso merece destaque.



5 comentários:

  1. Vencemos e de forma justa, ainda bem.

    Vitórias no futebol e no hóquei, felizmente.

    Para a comunicação social que pode aparecer com dúvidas no penalty do nosso golo, como já li no correio da manha (é propositado o erro ortográfico...), pergunto se não houve dúvidas na anterior queda do Rolando, por exemplo.

    Além da agressão do papa-chiclas, a um elemento do Nacional (vamos a ver se alguém viu...), ficamos ainda a saber que o Rio Ave teve 3 jogadores expulsos... ou seja antes do jogo da taça com o clube do regime... e esta heeemmm?!

    http://longara.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  2. Numa noite fria e apoiado por uma claque que nunca se calou, o F.C.Porto, com Helton, Sapunaru, Rolando, Otamendi e Rafa, Fernando no lugar de Guarín, Moutinho e Belluschi, Varela, Hulk no centro do ataque e James, tirando os primeiros minutos do jogo, em que o B.Mar equilibrou, teve sempre o sinal mais e se não foi intenso no domínio, contundente no último terço e brilhante na exibição, fez um jogo equilibrado, mais que suficiente para justificar a vitória, que foi escassa, mas justíssima. Sem ter muitas oportunidades, a equipa de orientada por André Villas-Boas, teve as suficientes - Hulk na cara de R.Rego; James por duas vezes, uma atirou ao lado e outra o guarda-redes aveirense fez a defesa da noite; e C.Rodríguez, também sozinho, fez um excelente movimento, mas falhou com a baliza escancarada - para ter ganho por uma diferença maior e evitar o sofrimento, que um resultado, pela diferença mínima, sempre acarreta - mesmo que a equipa de Leonardo Jardim não tenha criado nenhuma oportunidade de golo, um ressalto ou um lance infeliz, podem aparecer. Mas a equipa portista tembém não conseguiu acabar com o jogo, porque esta equipa, sem Radamel Falcao, perde referências, obriga Hulk a jogar numa posição onde não é tão eficaz, os avançados perdem-se em toques e toquezinhos, não têm o killer instinct de que falava o saudoso Bobby Robson e ainda, porque Varela passou completamente ao lado do jogo, esteve desastrado, tempo a mais em campo, nunca deu seguimento a nenhuma jogada, só estragou. De qualquer forma, o importante foi alcançado e o Dragão segue firme na liderança, não está para grandes notas artísticas, mas está sólido, unido e a um nível digno de nota mais que suficiente.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. Bom dia,

    Ontem dominamos e controlamos o Beira-Mar praticamente o desafio todo.
    O Beira-Mar apenas metia bolas na nossa grande área em livres laterais, que ontem foram muitos. Alguns deles injustificados, pois os aveirenses ao mínimo toque mandavam-se ao tapete, pois sabiam que só de bola parada poderiam marcar.

    Rolando esteve imperial na defesa, grande exibição.

    Sapunaru, Otamendi, Rafa e Fernando também estiveram bem, fazendo exibições tranquilas.

    Helton está a fazer a melhor época ao serviço do Porto. Muito seguro e dialogante, transmitindo segurança aos colegas de sector

    Moutinho foi um jogador importantíssimo nos equilíbrios defensivos da equipa, efectuando cortes fantásticos nas saídas para o ataque dos aveirenses, e dobrando colegas.

    Belluschi fez um bom jogo, tentou sempre desequilibrar, com alguns pormenores técnicos fantásticos.

    James e Varela foram dinâmicos, e Hulk foi o melhor em campo, mais uma vez desequilibrou, deu velocidade ao jogo, e foi sempre uma seta apontada à baliza aveirense.

    Fantástico o apoio dos nossos adeptos à equipa, e adorei rever Lucho na tribuna a puxar pelo seu clube.

    No Beira-Mar retenho a exibição do central brasileiro Kanu, que tal como no Dragão para a taça da liga, ontem fez uma excelente exibição. Um jogador a merecer atenção.

    Quanto ao árbitro ... provocador ao vir cumprimentar Villas Boas, e com muitas paneleirices durante o jogo, marcou faltas ridículas contra o FC Porto, que proporcionaram livres ao Beira-Mar.

    Agora na quarta-feira temos de vencer o Nacional para dar um grande passo rumo ao título.

    Aguardamos entretanto os desenvolvimentos da agressão de Jesus a Luís Alberto, que estão a tentar escamotear.
    E não esquecer a arbitragem habilidosa de Bruno Paixão que expulsou 3 jogadores do Rio Ave, que por coincidência não vão poder jogar para a Taça de Portugal diante do Benfica.

    Abraço e bom fim de semana.

    Paulo

    http://pronunciadodragao.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  4. Resumindo e concluido ... mais uma vitoria para um scoe fantastico ... 17 jogos 15 vitorias ... que mais poderiamos esperar ?!?!?!
    Quanto ao restante, as agressões, as expulsões, as arbitragens e tudo resto ... só temos que ter uma postura ... ganhar todos os jogos. No entanto não deixar passar estas tentativas para nos derrubarem.

    Um abraço

    http://fcportonoticias-dodragao.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  5. 3 pontos ...
    é preciso continuar a vencer...
    porque nada ainda está ganho !

    Abraço

    ResponderEliminar