sábado, 28 de abril de 2012

DRAGÃO A UMA VITÓRIA DO BI

FICHA DO JOGO
(Clicar no quadro para ampliar)

Ao garantir os três pontos no Funchal, o FC Porto colocou-se, no pior dos cenários, a uma vitória de revalidar o título, tendo em conta que o seu perseguidor só joga amanhã.

Conforme o previsto, a tarefa não foi fácil, mas confesso que esperava do Marítimo uma réplica mais consistente.

Os Dragões entraram bem na partida e na primeira quinzena de minutos alardearam argumentos para construir um resultado confortável. Dominadores, seguros e ambiciosos, os jogadores portistas foram remetendo os insulares para o seu último reduto, não dando sequer espaço para atrevimentos. Bloco alto, boa troca de bola e alguma capacidade de provocar rupturas, os campeões nacionais deixaram bem expresso as suas intenções. Depois de algumas oportunidades desperdiçadas por falta de pontaria, o golo portista lá chegaria, na sequência de uma grande penalidade, tão clara quanto escusada, por mão na bola de Fidélis, que Hulk converteu, no melhor período dos azuis e brancos durante todo o jogo.

O Marítimo foi corrigindo e acertando as marcações dando ao jogo um cariz de maior equilíbrio, sem no entanto conseguir fazer perigar a baliza à guarda de Helton uma vez que fosse. O resultado ao intervalo era mais que justo.

No segundo tempo os jogadores portistas foram menos esclarecidos e mais trapalhões, menos determinados e mais permissivos, menos agressivos e mais espectantes. Permitiram uma reacção dos donos da casa que, finalmente, se acercaram da área azul e branca com algum perigo. O golo do empate poderia ter surgido. 

Vítor Pereira dava sinais claros de querer conservar a vantagem. Tirou James e fez entrar Defour. O Porto já só chegava à baliza contrária em esporádicos contra-ataques, alguns bastante perigosos, principalmente protagonizados por Hulk, que ofereceu o golo a Lucho, mas «El comandante» desperdiçou de forma desastrada. 

Já com Djalma em campo, no lugar de Varela, o FC Porto chegaria ao segundo golo, em mais um contra-ataque, de novo de grande penalidade, após o claro derrube de Rafael Miranda sobre Djalma, que originou a expulsão do jogador verde-rubro, por acumulação de amarelos. Hulk converteu e ampliou o marcador.

Vitória justa num jogo morno com destaque para as exibições de Hulk, Maicon, Fernando e Helton.

O título fica agora mais perto, isto se não se confirmar o abandono do União de Leiria, que poderá alterar significativamente as contas da classificação.

8 comentários:

  1. O Bicampeonato a 2 pontos ou a 1 empate dos mouros!
    Marítimo 0 – FC Porto 2
    O Porto entrou forte, pressionante, com vontade de resolver o jogo atempadamente. Num encontro disputado a ritmo não muito elevado, após o golo a equipa portista controlou os acontecimentos de uma forma inteligente sem descurar um princípio básico e, muitas vezes, decisivo no futebol: a melhor defesa é o ataque. No segundo tempo o princípio não foi tão bem enunciado… Demasiada contenção por parte do FC Porto, defendendo muito recuado e deixando o Marítimo crescer perigosamente. Que sofrimento para os adeptos no estádio e a assistir pela televisão! Havia necessidade?! Claro que me dirão: o Porto não arriscou, defendeu reforçando o meio campo e dando a iniciativa ao adversário. Mas também haverá quem concorde que matar o jogo é a melhor atitude. Quando se pode… E, subitamente, alguém o matou! Quem haveria de ser? Hulk! Já não há adjectivos para este portento de jogador! Teve lances geniais e, mesmo desgastado fisicamente, construiu a jogada do segundo penalti que ele próprio converteu. Hulk é cada vez mais Incrível!!! E hoje só o vimos perder uma bola!
    Outros destaques – Sapunaru: muito certinho, não comprometeu a defender e ajudou no ataque. Maicon: que contente fico ao lembrar-me que sempre o defendi de ataques cerrados às suas prestações em jogos da época passada! Apostei nele como um defesa-central de grande nível. O que tem feito prova que a expectativa não saiu defraudada. Lucho: não é (alguma vez foi?) jogador para meter o pé ou se lançar em correrias; mas, com pezinhos de lã, mexe com aquilo tudo. João Moutinho: o “não sabe jogar mal” aplica-se-lhe mais uma vez: podia ter marcado, não marcou mas pautou o jogo de meio-campo. Alex Sandro: vai-se afirmando como um grande jogador, mas tem que se acautelar com a insistência num tipo de jogada que lhe pode ser fatal: quando julga ter o adversário controlado, deixa antecipar-se e vê-o escapar-se-lhe a caminho da baliza.
    Nota para o mau perder de alguns elementos da equipa do Marítimo; será que aprenderam com “o guardanapo” (Carlos Pereira)? Por que razão não se penitenciam de erros infantis em vez de descarregarem sobre terceiros? Filosofia de… “guardanapo”…
    BIbÓ POOOORTO!

    ResponderEliminar
  2. Boas,

    Mais um passo rumo ao Bi ... num estadio historicamente dificil o FC Porto fez o suficiente para garantir os 3 pontos. Não foi um jogo brilhante por parte do Porto, mas foi calculista e numa prova de regularidade por vezes ha que jogar feio e conquistar os 3 pontos como aconteceu na madeira.
    Para a semana em casa e contra o Sporting, ao contrario do que aconteceu hoje com os juniores, a vitoria é o unico resultado possivel para conquistarmos o campeonato em nossa casa.

    Um abraço

    http://fcportonoticias-dodragao.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. Caro Amigo: deixe-me esclarecer a questão do abandono (provável) do União de Leiria. O abandono não vai pôr em causa a classificação de FC Porto e 5LB (únicos candidatos ao 1.º lugar). Isto porque:
    - FC Porto “perde” 6 pontos (correspondentes às 2 vitórias sobre o UL);
    - Benfica perde 3 pontos (correspondentes à vitória na primeira volta) e não poderá amealhar os três pontos no jogo que deveria fazer com o União na próxima semana. Pelo que não pontuará o que equivale a dizer que a diferença para o FC Porto não será prejudicada por esta situação.

    A única coisa que se poderá questionar (e seria muito mais questionável se o FC Porto não estivesse à frente) é a impossibilidade do União de Leiria roubar pontos ao Benfica e o Porto manter os seis que ganhou. Mas seria pior se o Benfica tivesse perdido na 1.ª volta, pois não lhe seriam retirados os 3 pontos.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  4. Bom dia,

    Ontem o FC Porto fez um jogo à campeão.

    Concentrado, com absoluto domínio da partida e o resultado só peca por escasso.

    O Marítimo limitou-se a recolher as linhas e esperar pela nossa possível ansiedade.

    Só permitimos ao Marítimo um remate perigoso, bem defendido por Helton.
    Por tudo isto, as declarações no final do jogo de Pedro Martins e Briguel, são absolutamente ridículas.
    Os penaltis assinalados são claros, e os dois que os insulares reclamam não são também claramente penalti.

    Das duas uma, ou foi um discurso encomendado pelo lambe-botas, ou os dois elementos que compareceram na flash interview têm menos inteligência que uma simples "pica no chão".
    Na primeira parte o central maritimista deveria ter sido expulso, quando efectuou uma tesoura por trás em Hulk, um tipo de falta que ao prender a perna pode causar graves lesões.

    Os jogadores do marítimo jogaram sempre às pernas, e só a permissividade do árbitro permitiu que terminassem com 11.

    Fantástico jogo de toda a equipa. Defesa seguríssima, meio campo batalhador e ataque criativo, foram os condimentos para uma vitória justíssima que nos coloca a um passo do bi campeonato.

    Fantástica a presença da família portista no Funchal que apoiou a equipa para mais uma vitória.

    Bom domingo,

    Abraço

    Paulo

    pronunciadodragao.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  5. Só uma nota: a desistência do Leiria não alterará absolutamente nada em relação ao FCP e 5LB...A distância pontual será sempre a mesma.

    ResponderEliminar
  6. Num dia de paradoxos para para a família portista - morte de Francisco Nóbrega, antigo internacional do futebol azul e branco e a conquista do titulo em Andebol, o Tetracampeonato -, o Campeão tinha na Madeira e frente ao Marítimo, um difícil obstáculo que ultrapassado lhe abriria as portas do Bicampeonato. Ganhou justamente e deu um passo de gigante rumo ao título. Falta menos que um bocadinhos assim...

    Mantendo de início a equipa que tinha derrotado o Beira-Mar, apenas com duas excepções, Varela no lugar de Janko e a passagem de Hulk para o meio e Fernando no lugar de Defour, o conjunto de Vítor Pereira entrou forte, dominador, a jogar bem, rápido a atacar, mais pela esquerda e começou cedo a criar perigo e a querer resolver. Hulk, sempre ele, por três vezes esteve perto do golo - numa delas a bola só não entrou por milagre... encontrou um pé salvador... -, golo que surgiria aos 16 minutos, pelo Incrível, na transformação de um penalty claro, por mão de Fidelis. Era uma vantagem justa, o corolário da boa exibição portista. A ganhar a equipa azul e branca manteve o domínio, continuou a controlar, não foi tão perigosa como tinha sido até ao golo, mas nunca correu grandes riscos e se o resultado de um a zero se ajusta, se a vantagem fosse de dois golos, não escandalizaria.

    Na etapa complementar já não foi tanto assim. O F.C.Porto jogou pior, não dominou, não controlou, não foi tão pressionante, houve equilíbrio, o Marítimo foi mais perigoso, criou problemas e com a vantagem mínima a persistir, o Campeão correu riscos de sofrer o golo do empate. Felizmente não aconteceu e já a acabar, novamente de penalty, sobre Djalma, também bem assinalado, Hulk fechou a contagem e garantiu a vitória.

    Resumindo:
    Boa primeira-parte do F.C.Porto, pior a segunda, mas nesta altura, mais que jogar bem, era fundamental ganhar, conquistar os três pontos que nos colocam a uma vitória - pode nem ser preciso... - do Bi.
    Melhor Hulk que tem sido decisivo. Já James, tão idolatrado por alguns e que serviu muitas vezes como arma de arremesso contra Vítor Pereira, tem sido titular, mas como titular nunca conseguiu um jogo com a qualidade que evidenciou quando entrava a substituir alguém.

    Notas finais:
    Patéticas, vergonhosas e injustas as declarações de treinador e jogadores do Marítimo, parecia uma cassete. Pedro Martins, por exemplo, disse que nunca falou de arbitragens... pois, falou hoje. Porque será?
    Olhem, limpem a azia ao guardanapo, juntem-se aos aziados vermelhos e vão-se queixar ao Platini.
    Fantoches, marionetes, palhaços!
    Quanto mais longe o clube do regime fica do título, mais os freteiros, recadeiros e lambe traseiros agitam os costumados papões. Já os conhecemos, estamos habituados, não nos aquece nem arrefece.

    Neste momento somos campeões, virtuais, é certo, mas colocamos toda a pressão no clube do regime que sabe, se não ganhar amanhã, o Dragão é Campeão no sofá.

    Parabéns aos adeptos que estiveram nos Barreiros pelo apoio que nunca faltou à equipa.

    Abraço

    ResponderEliminar
  7. ..."Vitória justa num jogo morno "...

    ´De acordo !


    Abraço

    ResponderEliminar