quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

MAIS UM JOGO, MAIS UMA VITÓRIA (A 5ª EM 6 POSSÍVEIS)

FICHA DO JOGO
(Clicar no quadro para ampliar)
O FC Porto encerrou a sua participação na fase de grupos, com a 5ª vitória, em seis possíveis, cumprindo todos os objectivos a que se tinha proposto para este jogo (receita da vitória, manutenção da invencibilidade e defesa do prestígio).
Conforme era previsível, André Villas-Boas fez a já habitual gestão, deixando no banco alguns dos titulares (João Moutinho e Hulk), permitiu-se utilizar uma nova dupla de centrais (Maicon e Otamendi) e fez alinhar pela segunda vez consecutiva a jovem promessa colombiana, James Rodríguez, que não tendo sido tão fulgurante, fez o gosto ao pé ao apontar o terceiro e último golo da partida.
Foi um jogo com altos e baixos, muito por culpa do menor acerto de alguns portistas (Maicon e Belluschi foram os que mais destoaram), que menos concentrados provocaram muitas perdas de bola e alguns sustos.

De resto, nos melhores períodos, o FC Porto voltou a confirmar, tratar-se de um Clube a jogar na prova errada, tal a superioridade patenteada nesta fase.

O 3-1 final não traduz, nem de perto nem de longe, a produção ofensiva conseguida, que umas vezes por mérito do guarda-redes contrário, outras por desacerto dos jogadores portistas (Falcao até uma penalidade máxima falhou), não foi mais amplamente dilatado.

Boas notas para Fucile, Álvaro Pereira e James Rodríguez, que estiveram um pouco acima dos restantes e uma palavra de contentamento para a exibição de Rúben Micael, mais próxima  do que se espera dele.

O FC Porto conhecerá na próxima Sexta-feira o seu adversário para os dezasseis-avos-de-final, no sorteio em que será cabeça-de-série.

5 comentários:

  1. Vi o jogo a espaços e, por isso, não gosto de me pronunciar assim.

    Contudo tenho o orgulho de reproduzir o que li num sítio sobre futebol:

    “O F.C. Porto está claramente acima da média da Liga Europa. Mais: está claramente acima da esmagadora maioria das equipas da Liga Europa. Este líder da liga portuguesa é claramente uma equipa de Liga dos Campeões.”

    ResponderEliminar
  2. Bom dia,

    Ontem cumprimos o objectivo, vencemos, estamos há 35 jogos sem perder, e tudo isto é importante para cimentar uma mentalidade vencedora.

    Rodamos ontem a equipa, o que nos permite preparar melhor o importante jogo em Paços de Ferreira. É fundamental fechar o ano com a actual vantagem pontual para o 2º. classificado.

    Mais uma vez se demonstra que Souza não se consegue adaptar à posição 6, e com Ruben e Belluschi, ainda piora a sua missão, pois não tem quem o auxilie.

    Também mais uma vez ficou demonstrado que Fucile e Alvaro, e apesar das boas exibições de ambos, se os 2 forem titulares, a equipa fica descompensada no sector defensivo. Só mesmo Fernando poderá conseguir segurança com ambos os laterais uruguaios em campo.

    Assim ontem a tarefa foi complicada para os nossos centrais, que tiveram que ocorrer a vários fogos. Otamendi este excelente, pois é mais rápido. Maicon teve mais dificuldades e falhou alguns passes que poderiam ter resultado em golo do CSKA.

    Destaques individual para Walter e Ruben, os melhores em campo.
    James, Otamendi e Belluschi também estiveram muito bem.

    Vamos ver quem ganhou o lugar para completar o tridente ofensivo para Paços, se James ou Walter.

    Agora é preparar o jogo importante de Paços, para vencermos e fechar o ano da melhor forma.

    P.S. Pena aquele pontapé de bicicleta de Falcao ter saído ligeiramente acima, iria ser um golo de antologia.

    Abraço

    Paulo

    http://pronunciadodragao.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  3. Foi uma espécie de quente e frio.
    No período quente, que durou até aos 60 minutos e em 4x4x2, mesmo sem muitas pressas fizemos boas jogadas, belas triangulações, um futebol agradável e de alguma qualidade. A partir dos 60 minutos, com a entrade de Hulk e alteração do sistema, tudo piorou, muito por culpa do Incrível que entra sem a atitude correcta, perde-se em toques e toquezinhos, contagia os colegas, o jogo arrasta-se, fica frio, sonolento...
    Valeu a parte final e porque Moutinho é a antítese de Hulk. Entra sempre com o espírito correcto, não brinca, joga e faz jogar. Uma assistência para James - talento puro! - e um remate à barra, deixaram uma imagem mais positiva, num jogo que ganhamos com toda a naturalidade.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  4. O jogo decorreu num ritmo aceitável dada a sua nula importância em termos de classificação das equipas. Para os portistas o interesse maior incidia sobre a postura da equipa, mas, acima de tudo das prestações individuais dos menos utilizados. Desses, Jámes Rodriguez, confirmou duas coisas: que é, de facto, excelente executante e Villas-Boas tem razão para não arriscar já a titularidade absoluta.

    A revelação do noite foi, na minha opinião, Valter. Jogou muito bem, podendo ser considerado dos melhores, mas não apenas por isso: pelas qualidades que não pareciam adequadas à sua anatomia, pela entrega, capacidade física e técnica, pela solidariedade colectiva posta nos lances que vão ser potenciadas nos jogos futuros. Bigorna? Qual quê, Maciço, como um elefante.

    ResponderEliminar
  5. Gostei do jogo ... a primeira parte foi agradavel e com bom futebol, a segunda e apos o golo tambem melhorou. No cumpeto geral foi uma exibição conseguida mas não brilhante.
    Importa referir que continuas com o nosso registo imaculado

    Um abraço

    http://fcportonoticias-dodragao.blogspot.com/

    ResponderEliminar