segunda-feira, 25 de julho de 2011

APRESENTAÇÃO... PROVISÓRIA!

O regresso ao Dragão, foi anunciado como sendo de apresentação do plantel para 2011/12, porém, apesar da habitual dança mitológica do dragão, do palanque montado no círculo central do terreno, com a inovação de ter no relvado cerca de 2000 dos fieis Dragon Seat e a mostra dos sete troféus internacionais, conquistados pelo Clube, os jogadores foram desfilando, ao anúncio do speaker, todos eles, curiosamente, com o número 93 nas costas.
Desfilaram apenas os jogadores do plantel, que se encontram presentes e disponíveis. Uma apresentação nitidamente provisória, pois não houve ainda uma decisão quantos aos atletas que serão dispensados e os que se manterão no plantel, independentemente de eventuais saídas ou entradas, possíveis até 31 de Agosto.
Nos anos anteriores, as apresentações tinham este trabalho praticamente definido, tendo sido apresentados atletas que acabaram por sair antes das provas oficiais (Bruno Alves e Raul Meireles, foram disto exemplo, na época passada).

Antes do jogo agendado, Fernando Gomes e Lima Pereira presentearam com camisolas do Clube dois atletas do Penãrol, que também disputaram a final da Intercontinental, em Tóquio, em Dezembro de 1988, que o FC Porto venceu.
Seguiu-se então o jogo contra os uruguaios. Desde o primeiro minuto, os Dragões revelaram maior velocidade, domínio, pressão alta e vontade de marcar muitos golos. Neste particular sobressaiu o avançado Kléber, uma seta apontada à baliza contrária, muito batalhador e perigoso mas também infeliz no remate. O primeiro golo, ainda cedo, resultou de uma insistência sua, após remate violento de Hulk, que o guarda-redes não conseguiu segurar, surgindo o avançado brasileiro a tentar desviar para a baliza, com um defesa e o guardião contrários a tentarem impedi-lo.  Deste despique surgiu um ressalto, dirigindo a bola para as redes. O golo foi atribuído ao avançado portista, mas as imagens parecem indicar que o último toque pertenceu ao defesa do Peñarol.

Outras oportunidades surgiram, à custa de um futebol prático e vistoso, aqui e ali salpicado com algumas falhas e indecisões, características de princípio de época. O FC Porto justificava um resultado mais volumoso, no final do primeiro tempo, que a pontaria desafinada, acabava por castigar.

No segundo tempo foi mais do mesmo. O FC Porto dominou sempre, em todos os quadrantes do jogo e nem mesmo as muitas alterações verificadas nos dois conjuntos, fizeram mudar esta tendência. Hulk apontaria o segundo golo, de grande penalidade e Walter, à meia-volta, depois de um trabalho fabuloso de Kélvin, marcaria o terceiro.
Resultado certo da melhor equipa em campo. O FC Porto denota já bom andamento, mas há evidentemente muito ainda a melhorar.

Os meus destaques de hoje vão para Rúben Micael, Souza e Klébar, para mim os mais regulares. Depois, bons apontamentos de Silvestre Varela, Castro, Kélvin e Walter.


FICHA DO JOGO


FC Porto- Peñarol (3-0)


Apresentação Oficial 2011/12
Palco do Jogo: Estádio do Dragão
Data e hora do jogo: 24 de Julho de 2011, às 19:00H
Assistência: 40.359 espectadores
Árbitro: Jorge Sousa - A.F. Porto


FC Porto: Helton (Bracali 65'); Sapunaru (Sereno 77'), Rolando (Otamendi 65'), Maicon (David 84') e Fucile (Addy 77'); Souza (Atsu 84') , João Moutinho (Castro 65') e Rúben Micael (Bellushi 65'); Hulk (Kélvin 84'), Kléber (Walter 72') e Silvestre Varela (Djalma 65').


Treinador: Vítor Pereira


Peñarol: Soza; González, Valdez (Mac Eachen 65'), Rodríguez e Albin; Corujo (Guichon 81'), Freitas, Torres (Pastorini 65') e Lopez (Perez 46'); Zalayeta (Amodi 65') e Palacios (Siles 82'). 


Treinador: Diego Aguirre


Ao intervalo: 1-0
Marcadores: Kléber (10'), Hulk (71' g.p.) e Walter (87')
Acção disciplinar: Cartões amarelos para Soza (25'), Rúben Micael (61') e Freitas (89')

4 comentários:

  1. Na apresentação aos seus adeptos que compareceram em muito bom número, uma exibição simpática do F.C.Porto. Melhor na segunda que na primeira-parte, um Porto a meio gás, chegou e sobrou para dominar e ganhar, naturalmente, a um Peñarol fraquinho, incipiente, incapaz de causar o mínimo problema ao Campeão.

    Foi um jogo típico de pré-época, com algumas desconcentrações, facilitismos, excessos e individualismos, principalmente após o primeiro golo e até ao intervalo. Melhorou o Dragão na segunda metade, em que foi mais rápido, esclarecido e acabou muito bem, com os jovens Castro, Kelvin, Djalma, principalmente estes três, a tentarem e a conseguirem mostrar serviço. Serviço mostrou também Kléber, um ponta-de-lança como gosto, rápido, versátil, bom de bola e que aparece bem a finalizar, embora tenha de afinar a pontaria. Se nos lembrarmos que faltaram Falcao, Guarín, James, Álvaro, Danilo, Alex Sandro e Iturbe, por compromissos com as selecções e Fernando por estar lesionado?, temos de concluir que temos um plantel muito bom e gente de qualidade para formar uma excelente equipa. Se não vier por aí nenhum terramoto que nos leve dois ou três jogadores do núcleo duro, em 2011/2012 o Campeão será fortíssimo e as expectativas elevadas.

    Gostei do Kelvin, tem pormenores deliciosos e um grande talento, mas calma, foi apenas um jogo e frente a uma equipa fraca. Aguardemos os próximos capítulos, jogos com maior grau de dificuldade, para fazermos um melhor juízo de valor. Será que com James, Djalma, Hulk, Varela, Iturbe e não sei se com C.Rodríguez, para as alas, o melhor para ele é ficar no plantel?

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Bom dia,

    Ontem tivemos um jogo típico de apresentação, com alguns momentos de bons pormenores técnicos e jogadas bem gizadas e outras de alguma trapalhada.

    O que fica é a festa que se fez no Dragão com excelente casa, e uma equipa que mantendo princípios de jogo da época passada, acrescentou outros que me agradam, como a agressividade e pressing alto, aliás foram inúmeras as vezes que com sucesso colocamos os jogadores do Peñarol em fora de jogo, fruto da defesa mais subida.
    Gostei de Ruben e Moutinho no meio campo. Souza esteve melhor que nos passados desafios, mas entre ele e Castro continuo a optar pela permanência de Castro. No centro da defesa mantemos segurança bem como nas laterais.
    Varela e Hulk são uns desequilibradores, e Kelvin está a demonstrar ser uma excelente alternativa a Falcao.
    Walter que ontem teve momento de trapalhão poderá ser dispensado, apesar de continuar a facturar.
    Vítor Pereira vai ter uma boa dor de cabeça para definir o plantel.
    Ontem Castro e Kelvin mais uma vez demonstraram que tem lugar no plantel. Mas uma coisa é ter lugar, outra é ir jogando muito pouco.
    Existem uns que defendem que se deve optar pelo empréstimo, e outros que defendem que a permanência ajuda este jogadores a evoluir ainda mais, pois treinam como os melhores. Pessoalmente, penso que a saírem por empréstimo tem de sair para jogar, e assim evoluir. Não pode acontecer o que se passou com Sérgio Oliveira na época passada.

    A nossa equipa técnica tomará as melhores decisões tendo em conta os interesses do clube, e o futuro dos atletas, que para muitos só será muito perto do fecho das inscrições, fruto da participação de nossas atletas importantes na Copa América.

    Abraço e boa semana

    Paulo

    pronunciadodragao.blogspot.com

    ResponderEliminar
  3. Boas ,

    Foi uma exibição agradavel, fundamentalmente na 2ª parte na qual os passes começaram a sair mais acertados. Alguns pormenores interessantes das novas aquisições e com Varela a voltar ao nivel que nos habituou na primeira parte da epoca passada.
    O que mais me agrada é que temos um ponta de lança com capacidade para substituir Falcao, tem muito que aprender no entanto é um jogador de equipa, vem receber a trás, procura os espaços vazios, e fundamentalmente movimenta-se muito bem.

    Um abraço

    http://fcportonoticias-dodragao.blogspot.com

    ResponderEliminar
  4. Apesar de não termos observado todos os jogadores (e confesso que quero muito ver o Iturbe, em especial, jogar com a nossa camisola!), gostei do que vi; tem sido uma pré-época no mínimo positiva, onde podemos observar bons pormenores dos novos reforços e dos 'da casa'.

    Espero que a invencibilidade - apesar de, na pré-época, pouco ou nada significar - se mantenha e que façamos um bom jogo frente ao Lyon. Depois é entrar em grande com a conqusita da(s) supertaça(s)!

    Um abraço

    ResponderEliminar