sábado, 27 de novembro de 2010

TRINTA E UM JOGOS SEM PERDER, É OBRA!

FICHA DO JOGO
(Clicar no quadro para ampliar)

Ao empatar em Alvalade, o FC Porto aumentou para 31 o número de jogos disputados sem conhecer o sabor amargo da derrota.

No reduto leonino, os Dragões experimentaram algumas dificuldades, sobretudo na primeira parte, fruto de um futebol menos agressivo, de menor dinâmica e muito pouca velocidade, em relação ao que já produziu no decorrer desta época. Disso se aproveitou a equipa da casa, tomando conta das operações ainda que a primeira grande ocasião de golo tivesse pertencido aos azuis e brancos, logo aos 9', num lançamento de Belluschi pelo centro do terreno, que colocou Falcao na cara de Rui Patrício. O colombiano tentou colocar a bola mas o remate saiu ligeiramente ao lado.

O Sporting mostrou-se então mais organizado, chegando primeiro à bola e beneficiando de uma série de passes errados dos jogadores portistas, tendo-se adiantado no marcador, numa reposição de bola efectuado pelo seu guarda-redes. Valdés, o marcador, encontrava-se claramente em fora de jogo e acabou por tirar partido dessa posição para vencer a oposição de Maicon que colaborou ao falhar a intersecção. Helton reclamou e acabou amarelado.

No segundo tempo o FC Porto entrou com outra disposição, mais pressionante, mais dinâmico, mais veloz e mais ofensivo. 

Aos 53' o aviso. Falcao ganha de cabeça na área e obriga Patrício a defesa apertada e a dois tempos. Quatro minutos depois, o empate. João Moutinho soltou Hulk na área, que flectiu para a direita, cruzou para o coração da área onde apareceu Falcao a concretizar.


Os Dragões tomaram conta do jogo e procuraram a vantagem, mas a expulsão de Maicon, aos 68', num lance perfeitamente escusado e displicente, deitaram por terra esse objectivo. Depois foi segurar com unhas e dentes o empate, que acaba por ser mais penalizador para a equipa da casa.

Exibição pouco conseguida dando a ideia de um efectivo abaixamento de forma, com Fernando, Belluschi,Varela e Hulk, muito abaixo do seu melhor.

O meu destaque vai para Falcao pela importância do seu golo.

Arbitragem fraca, com uma gritante dualidade de critérios, favorecendo nitidamente a equipa da casa. Está ligada ao resultado final em função do golo irregular que validou.

6 comentários:

  1. Depois do Sporting - F. C. Porto: Manteve-se a distância pontual entre os dois contendores e o Porto segurou o primeiro lugar com grande distância, como, sobretudo, conservou a invencibilidade.
    Pese o empate ser o mal menor, para ambos os clubes que estiveram em compita neste Sporting-Porto, ficou contudo um sabor sem paladar pela forma como aconteceu, atendendo a que o golo do Sporting foi obtido em posição de fora-de-jogo, e, assim sendo, a arbitragem teve influência no resultado... além de uma escandalosa dualidade de critérios patenteada em não ter expulsado directamente um atleta, Maniche, do Sporting, que praticou uma autêntica agressão vista por todo o mundo, enquanto do outro lado da barricada pôs o Porto a jogar com menos um elemento, após o artista do costume, Liedson, se ter lançado para o chão ao sentir um ínfimo contacto... Só que, apesar de o F C Porto ter ficado em inferioridade numérica, demonstrou superioridade em valor e querer até ao fim, acabando a contenda sem que os lisboetas conseguissem os seus intentos e os Portistas continuem no cimo do pódio deste Campeonato da Liga Portuguesa.
    Mais, depois da celeuma anterior que animou o cenário... Moutinho teve interferência directa, perante uma boa exibição e assistência no golo - em jogada saída dos pés precisamente de João Moutinho para Hulk e deste para a entrada vitoriosa do goleador Falcão...!

    http://longara.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  2. Claro que o golo do Sporting foi precedido de uma (pelo menos) irregularidade: Valdés estava em fora-de-jogo. Também não me parece ter havido falta no lance que originou a expulsão de Maicon. Aliás, tenho a certeza; já vi a jogada várias vezes e não encontro motivo para ser considerada a falta. Contudo, Maicon tem de, no futuro, ter mais cuidado nestas situações de jogo. A alta competição não se compadece com erros infantis.

    O Porto entrou expectante, com lentidão de processos e sem desenvolver o jogo como sabe. O Sporting aproveitou e, com o posicionamento em campo, surpreendeu na primeira parte.
    A segunda parte mostrou um FC Porto mais próximo do que é e, estou convencido, se não fossem as peripécias do jogo, suplantaria o adversário.

    PS.: 31 é mesmo obra!

    ResponderEliminar
  3. Jogo fraquinho, o de ontem. Valeu o golo de Falcao, e se não fosse a expulsão o jogo poderia ter um rumo diferente.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  4. "in dubio pro reo" (na dúvida a favor do réu). Jorge de Sousa até poderia ser um bom árbitro se, para além da competência técnica, tivesse CORAGEM. E isso é qualidade que os livros não ensinam.

    Um jogo com muitos equívocos com um resultado ajustado aos altos e baixos do jogo, que satisfaz os interesses do FC Porto.

    ResponderEliminar
  5. Boa tarde,

    Ontem o empate arrancado pelo FC Porto, é mal menor, depois de analisadas as incidências do jogo, e a péssima arbitragem que nos prejudicou de forma evidente.

    Ao Sporting temos de dar o mérito de ter manietado Hulk e Varela na primeira parte, fechando bem as alas, demonstrando-se melhor do ponto de vista de agressividade.

    Tivemos contudo, a primeira grande oportunidade do jogo por Falcao.

    Mas esta agressividade, e capacidade de ganhar as segundas bolas, nunca se traduziu em perigo, e o Sporting apenas teve na primeira parte um tímido remate perigoso à barra por Pedro Mendes.

    O Sporting chega ao intervalo em vantagem fruto de um golo em fora de jogo mais que evidente, dos mais fáceis de tirar, e que só um fiscal de linha distraído ou incompetente, deixa passar em claro.

    Não se percebe a agressividade dos ex-companheiros de Moutinho, sobre o seu ex-capitão. Na primeira parte muitos amarelos ficaram por mostrar e talvez duplos amarelos.

    O Porto na segunda parte, entrou disposto a mudar o jogo e em poucos minutos criou mais uma oportunidade por Falcao, e a seguir noutra ocasião empata justamente o jogo.

    Senti nessa altura que íamos vencer o jogo, estávamos nitidamente por cima do Sporting, que estava a ter grandes dificuldades em deter o nosso ataque.

    Mas eis que aparece mais um erro clamoroso de arbitragem, com a expulsão de Maicon.
    Se o contacto físico que Maicon tem sobre Liedson é para falta, bem mesmo amigos, deixa-se de poder jogar futebol. Foi uma disputa normal de bola com um mergulho típico de Liedson.

    Este mesmo árbitro que dizem que é portista, não viu minutos antes uma agressão barbara de Maniche a Moutinho, que a acertar com pé firme na relva, lhe partiria a perna.

    Todavia, esta arbitragem que nos prejudicou, não iliba a nossa equipa que não soube libertar-se do colete na primeira parte, como o fez na segunda.

    Destacaram-se individualmente, Falcao, Hulk, Moutinho e toda a defesa, incluindo o Rafa, que teve uma estreia muito positiva.

    Destaque para os milhares de portistas que apoiaram mais uma vez a equipa.

    Abraço

    Paulo

    http://pronunciadodragao.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  6. ..."Arbitragem fraca, com uma gritante dualidade de critérios, favorecendo nitidamente a equipa da casa"...

    Nem mais !

    ResponderEliminar